GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

coluna Econômica

Banner saneago sky

Avanço do PIB no primeiro tri em Goiás ainda não reflete crise

Publicado por: Lauro Veiga Filho | Postado em 15 de julho de 2020
Dados consolidados para o setor de serviços, que responde por 67% do valor agregado do PIB estadual, apontam variação positiva de 0,2%, o que se compara com variação de 2,1% no primeiro trimestre de 2019| Foto: Divulgação

Numa avaliação ainda preliminar, o Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (IMB) identificou uma elevação de 3,4% para o Produto Interno Bruto (PIB) do Estado no primeiro trimestre deste ano, na comparação com igual período do ano passado, lembrando que a estimativa captura apenas duas semanas de paralisação da economia devido às medidas de afastamento social adotadas a partir da segunda metade de março (como já se sabe). A nota técnica do instituto, divulgada na sexta-feira, 19, traz rápida menção à crise gerada pela pandemia nas três linhas finais, ao analisar os números do comércio, agregados aos resultados do setor de serviços como um todo na formação do produto estadual.

Anota o comentário assinado pelo pesquisador em economia do IMB, Rafael dos Reis Costa: “Pode-se dizer que uma parte dos resultados do comércio deve ser atribuída a pandemia da Covid-19. A perspectiva de paralisação das atividades econômicas e a consequente queda da renda ou possibilidade de desemprego, fazem com que as famílias cortem gastos e evitem consumir além do necessário.” A nota observa baixa de 2,0% no volume de vendas do varejo restrito no primeiro trimestre e ligeiro recuo de 0,3% para as vendas no chamado varejo ampliado (resultado, por sua vez, de um avanço de 3,1% para as vendas de veículos, motos e autopeças, e redução de 0,4% no segmento de materiais de construção), sempre em relação ao trimestre inicial do ano passado.

Os dados consolidados para o setor de serviços, que responde por 67% do valor agregado do PIB estadual, conforme lembra o instituto, apontam variação positiva de 0,2%, o que se compara com variação de 2,1% no primeiro trimestre de 2019, comparado a igual período do ano imediatamente anterior. A se considerar esses dados, o setor de serviços teria contribuído com alguma coisa ao redor de 0,13 pontos de porcentagem na variação do PIB trimestral, o que parece ser compatível com uma taxa de crescimento da economia mais próxima de 2,1%, repetindo o resultado observado em igual período de 2019. Mas a contabilidade do IMB parece considerar uma contribuição mais robusta para os serviços, na faixa de 1,34 pontos.

Contabilidade paralela

A estimativa da coluna leva em conta o salto registrado pelo IMB de 18,0% para a agropecuária no acumulado no primeiro trimestre, setor que responde por algo em torno de 11,3% do valor agregado ao produto total. E ainda o recuo de 0,2% apontado pelo instituto para a indústria em geral, que participa com qualquer coisa próxima a 21,6% na formação do PIB. Na formulação original informada pelo instituto, a agropecuária teria respondido por 59,8% da variação de 3,4% registrada no trimestre (na hipótese da coluna, a contribuição estaria mais próxima de 95%). A indústria teria contribuído negativamente, retirando o equivalente a 0,04 pontos da variação trimestral do PIB. De qualquer forma, o comportamento teria sido igualmente superior à média observada em todo o País, que apresentou retração de 0,3% para o PIB na comparação com o os três primeiros meses do ano passado.

Balanço

·   Conforme já anotado neste espaço, os números de segundo trimestre tendem a ser bem diferentes, já que receberão todo o impacto negativo gerado pela pandemia e pela parada abrupta da atividade em grande parte da economia – e destacadamente no setor de serviços, notoriamente mais atingido pelos efeitos da crise sanitária.

·   Em abril, mês que parece anotar, até aqui, impactos mais severos, as vendas do varejo tradicional encolheram 19,6% em relação ao mesmo mês do ano passado, com tombo de 24,1% para o varejo ampliado. O setor de serviços desabou 17,0% no Estado, naquela mesma comparação, enquanto a indústria, alimentada pela extração de minérios, produção de alimentos, biocombustíveis e medicamentos, apontou variação de 0,4%.

·   Os números de maio tendem ainda a ser negativos, embora em níveis menos intensos se considerado o comportamento dos principais setores em abril. A liberação de mais setores ao longo de junho, ao mesmo tempo em que o número de contaminados e de mortes continua em ascensão, pode trazer algum alívio (muito embora todo o processo esteja envolvo em uma guerra judicial), mas não o suficiente para reverter a queda já contratada para o segundo trimestre.

·   Como os números indicam que a crise sanitária causada pelo novo coronavírus ainda não atingiu seu ponto mais crítico em Goiás, a abertura precipitada da economia pode gerar uma segunda onda epidêmica, a exemplo do que se observa nos Estados Unidos, na Coreia do Sul, em regiões da China, Índia e outros países asiáticos.

·   Confirmados os piores temores, os impactos seriam ainda imprevisíveis e levariam a novas medidas de restrição, mais severas do que as atuais, tornando ainda mais irrealista a expectativa alimentada pela equipe econômica do senhor Paulo Guedes, que parece ainda acreditar numa retomada do crescimento já no próximo trimestre.

·   A ata da mais recente reunião do Conselho de Política Monetária (Copom), formado pela alta cúpula do Banco Central (BC), sugere que as medidas de apoio às empresas e socorro às famílias mais vulneráveis poderão “recompor parte significativa da demanda agregada que seria perdida devido aos efeitos da pandemia”, trazendo uma “recuperação mais rápida da economia” do que a esperada.

·   No mínimo, trata-se de uma visão um tanto otimista. Passados quase três meses e meio de crise (cinco, se for considerado que desde fevereiro o sistema público de saúde já havia alertado para a crise), a saúde recebeu apenas 12,16% do dinheiro prometido (até o dia 19 último). A ajuda prometida a micro, pequenas e médias empresas somou 44,29% dos recursos anunciados. A ampliação do Bolsa Família havia recebido meros 12,16% do orçamento anunciado.

·   Após meses de enrolação e promessas, o auxílio emergencial a famílias vulneráveis registrava gastos de R$ 95,535 bilhões, dois terços dos R$ 152,94 bilhões destacados pela equipe econômica, que só admite prorrogar o benefício por mais dois meses – ainda assim, com redução do auxílio para a metade dos R$ 600 em vigor.

·   No balanço geral, acompanhado pela Câmara, o governo pagou 43,63% dos recursos incluídos no orçamento para combater a Covid-19 (ou seja, R$ 176,357 bilhões de um total de R$ 404,181 bilhões).

 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar