13 de dezembro de 2019
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

coluna Econômica

Recuperação lenta da economia ameaça crescimento no médio e longo prazos

Publicado por: Lauro Veiga Filho | Postado em 13 de dezembro de 2019
Indicadores dos grandes setores da economia despencaram no final do semestre passado

Os indicadores dos grandes setores da economia embicaram para baixo no final do semestre passado, fazendo renascer os temores de um segundo trimestre igualmente negativo para toda a economia ou com variação muito próxima de zero para o Produto Interno Bruto (PIB) – o que poderia configurar uma “recessão técnica” na primeira metade de 2019, na leitura feita pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). A se confirmar o cenário mais negativo, acrescenta o instituto, o País estaria experimentando “uma recuperação lenta, descontínua e, por isso, com baixa capacidade de restabelecer o emprego e a renda” aos níveis anteriores à crise de 2015/16.

A economia, acrescenta Bráulio Borges, pesquisador associado do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV) e economista-sênior da área de macroeconomia da LCA Consultores, sofre nitidamente de “falta crônica de demanda”. Além do evidente problema social causado pela estagnação econômica, com todos os impactos negativos do desemprego sobre as famílias, afirma Borges, o baixo ritmo da atividade econômica pode estar precisamente sacrificando as possibilidades de um crescimento mais sustentado no médio e longo prazo, já que o estado de “semidepressão afeta as variáveis que determinam a produtividade da economia no longo prazo”.

Para descrever esse fenômeno, a economia toma emprestado da física o termo “histerese”, palavra derivada do grego, conforme o economista, e que pode ser “traduzida” como “retardo”. Entre outras formas de manifestação, a “histerese” afeta principalmente os trabalhadores excluídos por períodos muito longos do mercado pelo desemprego. Deve-se recordar que a taxa de desocupação no Brasil tem se mantido ao redor de 12% desde o trimestre finalizado em agostode 2016, portanto, há praticamente três anos.

Oportunidades perdidas

Portanto, anota Borges em texto recente, produzido em conjunto com os economistas Manoel Pires e Gilberto Borça Júnior, também do Ibre, “quando a taxa de desemprego se situa em patamar atipicamente elevado e por muito tempo, maior tende a ser o ajuste e o conformismo com padrões de vida mais baixos, além dessa situação aumentar a incidência de distúrbios mentais associados a sentimentos de insegurança e ansiedade (inclusive para aqueles que continuam ocupados)”. Ao permanecer por longo período fora de atividade, o trabalhador perde a oportunidade de atualização que a convivência no ambiente de trabalho poderia oferecer (levando ao que os economistas chamam de “perda de capital humano”). Mais adiante, quando o mercado volta a demandar mais mão de obra, esses trabalhadores podem “não se encontrar mais em condições de inserção no mercado ou o fazem em condições muito desfavoráveis, isto é, em posições de baixa produtividade ou na economia informal”.

Balanço

·   Esse processo pode estar já em curso, considerando-se que o recente avanço no número de pessoas ocupadas tem se concentrado entre vagas por conta própria (em geral sem registro oficial), vagas sem carteira assinada e em setores associados à prestação de serviços, com remuneração média mais baixa.

·   As diferenças de salários entre aqueles que conseguiram preservar seus empregos mesmo ao longo da crise e os trabalhadores que retornaram à atividade ainda na fase de baixa da atividade econômica, segundo estudos recentes, tendem a perdurar por bastante tempo, acentuam Borges, Pires e Borça Jr.

·   “Dessa forma, menores são as oportunidades, menor é o acúmulo de experiência ao longo da vida laboral, menor é a produtividade média da economia no longo prazo”, apontam ainda.

·   Entre outros efeitos mais a longo prazo da lenta recuperação, prosseguem os economistas, a quantidade e a qualidade do “estoque de capital da economia” (quer dizer, todas as máquinas e equipamentos em operação nas fábricas, instalações e edificações, estradas, pontes, viadutos, ferrovias) são igualmente sacrificados. Tornam-se obsoletos e, portanto, reduzem sua capacidade produtiva, o que reduz a produtividade em toda a economia.

·   “O investimento tende a se elevar quando há demanda crescente, corrente e esperada, por novos produtos (que pode ser atendida mediante aumento das importações ou da expansão da oferta doméstica), abertura ou criação de novos mercados, inovações, condições financeiras mais favoráveis e baixo nível de incerteza”, consideram eles. Mas vários desses fatores têm atuado contra uma retomada “mais firme dos investimentos”.

A falta de demanda, expressa na ociosidade das fábricas e no desemprego elevado, tem sido o grande fator a limitar novos investimentos em ativos fixos. 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar