16 de novembro de 2018 - sexta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Coluna
Xadrez
Rubens Salomão
Rubens Salomão
08/10/2018 | 06h00
Muitos erros e raros acertos marcaram derrota do marconismo

A primeira derrota do marconismo em Goiás, desde a icônica vitória sobre o PMDB em 1998, foi marcada por seguidos erros políticos e de comunicação ao longo da campanha deste ano. O resultado não ser poderia pior ou mais surpreendente. O governador José Eliton (PSDB) perdeu no primeiro turno e sequer ficou em segundo, atrás de Daniel Vilela (MDB), enquanto o ex-governador Marconi Perillo (PSDB) sofreu a primeira derrota da carreira. Começou liderando pesquisas, mas não passou de um ínfimo quinto lugar e 7% dos votos. A campanha de Zé Eliton não manteve o conceito inicial, que buscava descolar o tucano da imagem sabida e naturalmente desgastada do governo e, principalmente, de Perillo, após 20 anos. A presença e liderança de marconistas na campanha suprimiu as ideias de grupo formado por seis profissionais qualificados, entre jornalistas, marqueteiros e publicitários, e acabou por colar, ainda mais, o nome de Zé no de Marconi. Neste processo, a operação Cash Delivery foi a última pá no que pode ser o sepultamento do marconismo em Goiás.

Incólume

A campanha tucana não conseguiu atingir o governador eleito, Ronaldo Caiado (DEM), ao longo de toda a campanha. Ao contrário, o próprio governo criou fatos políticos negativos à candidatura de Eliton, como as crises na Saúde, Educação e Segurança.

Distância

A falta de engajamento de prefeitos e candidatos a deputado federal e estadual foi determinante. O cenário de liderança de Caiado incentivou, mas a desmotivação da base não foi efetivamente combatida pelos líderes tucanos.

Caiado fez maior bancada

Além da expressiva vitória no primeiro turno ao governo de Goiás, o senador Ronaldo Caiado (DEM), já conta com a maioria dos deputados eleitos para a legislatura da Assembleia Legislativa, que se inicia no dia 1º de fevereiro 2019. Os partidos aliados ao senador na eleição, divididos em diferentes coligações, conseguiram eleger 18 deputado estaduais. O número representa a maior bancada, já que as siglas ligadas ao PSDB, do governador José Eliton, alcançou a vitória de 15 parlamentares e os coligados ao MDB, de Daniel Vilela, fizeram seis. O mais bem votado foi o agora caiadista Henrique César (PSC) (foto), com 46.545 votos. Ele é suplente na atual legislatura e chegou a assumir o mandato formando base aliada ao governo tucano. Além dos números resultantes da eleição, a tendência de crescimento constante da bancada aliada ao governador eleito, já que deputados e partidos que pediram votos a Daniel e Eliton devem buscar a base de apoio a Caiado nos próximos dias, quando também são intensificadas as conversas para eleição da nova Mesa Diretora.

CURTAS

Partido grande – Depois de eleger apenas um deputado federal em 2014 e chegar a oito durante o atual mandato, o PSL de Jair Bolsonaro fez 51 parlamentares.

Bancadas ­– A sigla passa a representar a segunda maior bancada partidária na Câmara dos Deputados, atrás apenas do PT que elegeu 57 nomes (contra 70 em 2014).

Queda livre – Além do derretimento da candidatura de Geraldo Alckmin, o PSDB elegeu 29 deputados federais. Em 2014, foram 53.

Terra arrasada

As primeiras declarações ontem de Ronaldo Caiado (DEM) após a vitória indicam que o democrata não pretende perder muito tempo do mandato preso no discurso sobre herança maldita. A intenção é "em pouco tempo", resolver os problemas.

O processo

"Queremos implementar um processo de pacificação no Estado. Teremos tolerância zero com a corrupção e pretendemos ter o apoio dos funcionários públicos para reerguer Goiás, porque sem eles não conseguiremos", disse o governador eleito.

Autocrítica

A senadora Lúcia Vânia (PSB) não conseguiu a reeleição e ficou em quarto lugar, atrás dos eleitos, Vanderlan Cardoso (PSDB) e Jorge Kajuru (PRP), e do colega de Senado, Wilder Morais (DEM). A pessebista admite erros da campanha governista.

Moço de antes

"Teríamos que fazer a campanha junto com o candidato a governador, como eu e Caiado fizemos com Marconi, quando ele era desconhecido. Isso dá outro peso", disse Lúcia em referência a 98, quando apontava o então "moço da camisa azul".

Mito daqui

O senador eleito por Goiás, o vereador Jorge Kajuru (PRP) afirma que é o "mito desta eleição" e pretende ter postura "independente" em Brasília a partir de 2019. A declaração aborda também a relação com Ronaldo Caiado.

Pela democracia

O ministro da Segurança, Raul Jungmann, definiu que denúncias de fake news são apuradas. "Quem tentou induzir a possibilidade de fraude será responsabilizado ou punido", disse. Tudo para garantir a segurança das urnas. Ainda bem.

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)
Warning: file_get_contents(/var/www/html/portal/public/json/maislidas.json): failed to open stream: No such file or directory in /var/www/html/portal/application/controllers/ColunaController.php on line 167 Warning: file_get_contents(/var/www/html/portal/public/json/blogs.json): failed to open stream: No such file or directory in /var/www/html/portal/application/controllers/ColunaController.php on line 202 Warning: file_get_contents(/var/www/html/portal/public/json/colunas.json): failed to open stream: No such file or directory in /var/www/html/portal/application/controllers/ColunaController.php on line 208