13 de novembro de 2019
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

blog Lucas de Godoi

Pensamento de Janot está em sintonia com discurso de políticos

Publicado por: Lucas de Godoi | Postado em 13 de novembro de 2019
No Brasil dos negros e pobres, as mãos agressivas de quem carregam armas não são usadas para escrever biografias, mas sim para encerrar sonhos e destruir famílias inteiras

A revelação do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, de entrar armado no Supremo Tribunal Federal para matar o ministro Gilmar Mendes e depois cometer suicídio, é o desdobramento da campanha armamentista que se instala no Brasil. Com o aval, é claro, do maior representante desta Nação, o presidente Jair Bolsonaro (PSL). Era impensável, mesmo há poucos anos, que um jurista ousasse a assumir publicamente que justiça, em muitos casos, se faz com as próprias mãos.

Rodrigo Janot, em seu livro de memórias, vislumbra a realidade que já é praticada nas ruas pobres do País. Sobretudo àquelas em que quem devia zelar pela segurança dá liberdade para “mirar na cabecinha e fogo”. A lembrança de Janot ecoa os 80 tiros que mataram um músico no Rio de Janeiro. E reflete a bala apressada que acertou a menina Ághata nas costas. E as que encontraram Kauê, Kauã e Kauan. KKK, aqui, lembra um fim sangrento e avalizado pelos atos de políticos brasileiros.

Na última quinta-feira (26), enquanto o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL) publicava uma foto com o gesto de ‘arminha’ em frente à escultura ‘não-violência’, da Organização das Nações Unidas (ONU), alguns de seus correligionários cumpriam agenda em uma das principais fabricantes de arma do mundo. Cinco deputados do partido visitaram as instalações da Taurus em São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre. Tudo, claro, bancado pela indústria.

Os escolhidos defendem, na Câmara dos Deputados, o direito do cidadão se armar. A pauta interessa diretamente às empresas do ramo, sedentas por ampliar os seus lucros. A Taurus, que abriu as portas de sua fábrica para os parlamentares do partido do presidente, disse em nota que mostrou suas novas instalações aos deputados para “esclarecer campanhas de difamação que aconteceram no passado contra a empresa” e “contribuir para a discussão e tomada de decisões na implementação de políticas públicas de segurança no Brasil”. 

Sintonizada com o governo federal, a empresa fez questão de participar da campanha que Jair Bolsonaro lançou para celebrar o Dia da Independência. Para aquecer a economia, o presidente propôs a ‘Semana do Brasil’, uma espécie de ‘Black Friday’ brasileira. Entre 6 e 15 de setembro, diversas companhias ofereceram descontos para fomentar a venda no varejo. A Taurus, que tem se mostrado aliada de Bolsonaro, admitiu ter negociado mais de 20 mil armas de fogo durante a campanha.

O discurso de Rodrigo Janot, portanto, está em completa sintonia com a agenda ultraconservadora de importantes figuras políticas. A conseqüência dessa fala vai muito além do que a vivenciada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes. No Brasil dos negros e pobres, as mãos agressivas de quem carregam armas não são usadas para escrever biografias, mas sim para encerrar sonhos e destruir famílias inteiras.

Gilmar, aliás, fez uma sugestão que parece acertada para grande parte das autoridades brasileiras. “Recomendo que procure ajuda psiquiátrica. Continuaremos a defender a Constituição e o devido processo legal”, afirmou em nota.

A sugestão de Mendes, talvez, possa servir de resposta para o questionamento insensível que Eduardo Bolsonaro usou para legendar a sua foto. “Quem poderia ser contra essa escultura, ainda mais em tempos de politicamente correto? O que aconteceria se John Lennon estivesse armado?”, provocou Eduardo ao fotografar de sorriso no rosto.

Todo esse imbróglio ilumina ainda um princípio fundamental da República. Que a lei sirva para segurar aqueles que, investidos em cargos públicos, cometem arbítrios, ilegalidades e eventuais loucuras para concretizar seus ideais. Se o Brasil se afastar disso, a vida, principalmente dos vulneráveis, continuará na mira da insegurança.  

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar