07 de abril de 2020
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

coluna Xadrez

Postura de Mabel reduz força institucional da FIEG

Publicado por: Rubens Salomão | Postado em 07 de abril de 2020
Pesam aí o discurso agressivo em 2019 e a cereja do bolo foi a nota em que o presidente da entidade criticou a quarentena de brasileiros vindos da China em Anápolis| Foto: Divulgação

Disparada maior entidade de representação do setor produtivo, além do setor industrial, a Federação das Indústrias do Estado de Goiás (FIEG) tem perdido espaço em articulações internas e externas à categoria. O Sistema FIEG congrega mais de 15 mil empresas e tem 36 sindicatos de vários setores econômicos filiados, mas posturas recentes do presidente, o ex-deputado federal Sandro Mabel, tem comprimido a força institucional e até retirado das mesas de negociação. “Ele tem adotado tom muito mais político e isso atrapalha as conversas, principalmente com o governo estadual. São muitas reclamações e demandas com o estado, mas não é assim que se resolve”, avalia um líder empresarial em diálogo com a Xadrez. Pesam aí o discurso agressivo em 2019 e a cereja do bolo foi a nota em que Sandro Mabel criticou a quarentena de brasileiros vindos da China em Anápolis.

Em família

A contraposição a Mabel vem até do próprio filho: o presidente da GSA Alimentos, Sandro Marques Scodro. Em carta ao grupo em quarentena, o empresário afirma que a recepção foi “atitude humanitária não compreendida por uma minoria”.

Substituição

Mesmo sem a representatividade do Sistema FIEG, a Associação Pró-Desenvolvimento Industrial (Adial) em Goiás tem tomado lugar de protagonismo em negociações políticas pelo diálogo. A pauta da vez é o ProGoiás.

Demandas

Além das críticas à renovação do fundo Protege, a Adial busca incluir no novo programa de incentivos um conselho consultivo na Secretaria de Indústria e Comércio.

Proporcionalidade

Em Câmara Municipal fragmentada entre 21 partidos, a tropa de choque de Iris Rezende (MDB) reativou o ‘Bloco Parlamentar Goiânia’. Liderado por Oseias Varão, o grupo busca mais indicações para as subcomissões de análise do plano diretor.

Membros

Por enquanto, o bloco conta com Paulo Daher (DEM), Paulinho Graus (PDT), Sargento Novandir (PTN), Tiãozinho Porto (PROS), Carlin Café (Cidadania), Milton Mercêz (Patriota) e Andrey Azeredo (MDB), além do líder.

Na base...

Romário Policarpo (Patriota), passou a tarde ontem na Assembleia Legislativa. Além da “cortesia”, disse que foi “conversar sobre eleições 2020 e projetos que podem ser feitos em conjunto” com Lissauer Vieira (PSB).

Caiadista?

“É da base do governo. Se não for, ficará em breve”, brincou o líder do governo na Alego, Bruno Peixoto (MDB), ao fim da sessão ordinária.

Digo que fico!

Vitor Hugo (PSL/GO) diz que fica na liderança do governo na Câmara Federal, apesar de especulação sobre troca por Osmar Terra. Garante manter contato direto com o presidente e que “não há indicação de que vai acontecer”.

CURTAS

- Símbolos: No primeiro discurso, Virmondes Cruvinel falou da tribuna à esquerda e Karlos Cabral, à direita, na Alego.

- Tradicionalmente, a primeira representa oposição e a segunda, base governista. Ambos valorizaram o costume.

- Relator da CPI dos Incentivos, Humberto Aidar (MDB) marcou para dia 3 de março a apresentação do relatório final.

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar