coluna Xadrez

Vereadores do MDB não vão romper com Rogério Cruz

Publicado por: Venceslau Pimentel | Postado em 06 de abril de 2021
Confira a coluna Xadrez, por Venceslau Pimentel, desta Terça-feira (6/4) | Foto: Takeshi Gondo

Venceslau Pimentel

O MDB se mostra mais dividido do que nunca. O racha ficou claro pelo fato de os seis vereadores da bancada, na Câmara de Goiânia, não terem ido ao ato em que o presidente da legenda, Daniel Vilela, anunciou o desligamento coletivo de emedebistas que ocupavam cargos na Prefeitura. No entanto, o grupo não só fez questão de prestigiar a entrevista do prefeito Rogério Cruz (Republicanos), no Paço Municipal, para rebater as críticas do presidente da legenda, como também convidou os seis primeiros suplentes para o pronunciamento. À coluna, o vereador Henrique Alves, que preside a CCJ, comissão mais importante do Parlamento da capital, disse que a declaração de Cruz, de que o desembarque se limitou a Daniel Vilela e seu grupo, é fato. “Sim. Uma parte do MDB, sim, ainda esta na gestão”. 

Sem ruptura

Henrique Alves reforça que os seis suplentes do MDB declarando apoio à gestão do prefeito, no sentido de dar voto de confiança ao ele. “E nós tivemos, também, os seis vereadores do MDB, respeitando, obviamente, a posição do presidente do nosso partido, de forma nenhuma isso é qualquer ruptura, qualquer retaliação”. 

Retaliação

De acordo com o vereador emedebista, depois de reunião da bancada com Daniel Vilela, ficou acertado que não haveria retaliação por parte do parte, em cobrar rompimento com Rogério Cruz, pela função que o grupo tem de fiscalizar o cumprimento do plano de governo. 

Bancada unida

No início da noite de ontem, a bancada do MDB, e mais dois suplentes, se reuniram na Câmara para reforçar que vai continuar na base de apoio ao Paço Municipal, depois da declaração de Daniel Vilela de que cada vereador teria que arcar com sua responsabilidade, por não seguir orientação partidária. 

Marujos ao mar

Enquanto o ex-prefeito Iris Rezende se preserva de comentar o imbróglio no partido que ele ajudou a fundar, a ex-primeira-dama Iris de Araújo dá o seu pitado. Diz que havia prometido não opinar, mas afirma que não foi desembarque, foi homens ao mar. 

Périplo

Apesar de restrições de acesso no público na Assembleia Legislativa, já que as sessões são realizadas de forma híbrida, é aguardada para hoje a presença de conselheiros do TCM, por conta da disposição da Casa em abrir CPI para extinção do órgão. 

Embate

Quem bate de frente contra do senador Vanderlan Cardoso (PSD) é a também senador Kátia Abreu, do Tocantins. Para ela, abrir vacinação contra a Covid-19 para o setor privado e desmantelar o programa nacional de imunização. 

Ajuda financeira

O governador Ronaldo Caiado reforça que entregadores e motoristas por aplicativo agora vão ter acesso a linhas de crédito da juro zero, da GoiásFomento. Valor se´r ade R$ 5 mil com seis meses de carência.

Auditoria

Depois de questionar o kit churrasco das Forças Armadas, o deputado federa Elias Vaz (PSB-GO), pediu ao Tribunal de Contas da União que faça uma auditoria nos gastos das férias de Jair Bolsonaro. 

Pela fé

Católico, o deputado Federal Francisco Jr (PSD) está ao lado do ministro do Supremo Tribunal Federal Nunes Marques, na decisão de reabrir igrejas e templos religiosos no País. 

CURTAS

Enquanto o ex-prefeito Iris Rezende se preserva de comentar o imbróglio no partido que ele ajudou a fundar, a ex-primeira-dama Iris de Araújo dá o seu pitado. Diz que havia prometido não opinar, mas afirma que não foi desembarque, foi homens ao mar. 

Quatro meses após a derrota de Vanderlan Cardoso, o presidente do PSD estadual, Vilmar Rocha, e o do metropolitano, Simeyzon Silveira, divulgaram nota conjunta, sobre o distanciamento do MDB com o Republicanos.

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar