24 de julho de 2017 - segunda-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cidades
Crime
24/05/2016 | 11h00
Fraude no ‘Farmácia Popular’ aumentava lucro de drogaria
Estabelecimento foi interditado. Proprietários também comercializavam medicamentos controlados de maneira irregular

Deivid Souza

A 13ª fase da Operação Tarja Preta, desencadeada pela Delegacia Estadual e Repressão a Crimes Contra o Consumidor (Decon), resultou na prisão de dois sócios proprietários de uma drogaria instalada na Vila Regina, bairro da Região Oeste de Goiânia. Eles são suspeitos de vender “ilegalmente” medicamentos controlados e ainda fraudar o programa ‘Farmácia Popular’ do governo federal.

Além de a drogaria não ter alvará de funcionamento emitido pela Vigilância Sanitária, foram apreendidos vários carimbos e receituários em branco. O delegado titular da Decon, Webert Leonardo, acredita que a dupla fraudava as receitas para comercializar os produtos. “Alguns profissionais de farmácia estão burlando as exigências legais para o aumento do lucro da drogaria, e assim, fornecer de forma aleatória medicamentos para as pessoas”, afirma.

Outro fator que chamou a atenção da Polícia Civil (PC) foram 50 cartões do programa Farmácia Popular do governo federal estar em poder da dupla. O delegado acredita que eles concretizavam a operação de venda de medicamentos em nome dos beneficiários para receber do programa, mas sem repassar os produtos.

Antônio Ribeiro do Nascimento, 33, e Eliton Fabio Mendes, 39, não possuíam passagens pela polícia, mas vão responder por crime contra relações de consumo e falsidade documental. Se condenados à pena máxima dos dois crimes podem ficar até 11 anos detidos. 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)