Segunda-feira, 22 de julho de 2019
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

Cidades

Matrículas para educação de jovens e adultos estão abertas

Postado em: 09-02-2017 as 08h45
As inscrições podem ser feitas no portal da prefeitura de Goiânia

Renan Castro 

As matrículas para o projeto Educação de Adolescentes, Jovens e Adultos (Eaja) na rede pública, em Goiânia, já estão com inscrições abertas. De acordo com Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME) existem 5.183 vagas disponíveis em 61 escolas da capital. Quem quiser se inscrever pode acessar o portal da prefeitura na internet.

Segundo estimativa da Secretaria, cerca de 30 mil moradores de Goiânia não são alfabetizados. Em 2016, conforme o órgão, 7.517 alunos fizeram o curso. A dificuldade, na maioria das vezes, para quem entrou na fase adulta sem se alfabetizar, é que é difícil conciliar emprego e estudo. Principalmente por que muitos trabalham em serviços que requer grande esforço físico. Contudo, a SME destaca que as aulas são adaptadas para pessoas que trabalham ou que já são idosas. Antes das aulas é oferecido um jantar e o Eaja é gratuito.

Com duração de cinco anos, o programa é dividido em duas fases. O primeiro módulo engloba desde a alfabetização até o quinto ano. A segunda parte compreende do sexto ano até o nono.

Sem procura

Patrícia Glória de Carvalho Brito, uma das professoras do programa, convida goianienses que tenham mais de 15 anos para participar do Eaja. “Quem quiser vir aprender a ler, concluir o ensino fundamental, estamos aqui. É uma porta que se abre para trabalho, para realização pessoal”, explica.

O número de matriculados no programa em Goiânia ainda é muito pouco e os estudantes do Eaja temem que turmas fechem por falta de alunos. O pedreiro Jovair Ramos é um deles. Ele conta que sua sala tem poucos alunos. 

O coordenador pedagógico da Coordenadoria Regional de Educação do Município, Marcos Antunes Moraes, afirma que a SME não pretende fechar nenhuma turma do Eaja mesmo com o grande número de vagas em aberto.

“A política da Secretaria não é de fechar turmas. Temos outra grande dificuldade, que não é só trazer o aluno para a escola, é fazer com que ele permaneça e permaneça aprendendo”, destaca.

Foto: (Reprodução)

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja buscar