18 de outubro de 2017 - quarta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cidades
Stellio Natus
19/04/2017 | 10h00
Em Goiás, PF deflagra Operação que combate fraudes de Seguro Desemprego
Polícia investiga participação de uma policial civil do Mato Grosso, esposa do principal investigado. Estima-se desvio de R$ 3 milhões destes benefícios

Renato Estevão

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quarta-feira (19), a Operação 'Stellio Natus', com o objetivo de desarticular uma organização criminosa especializada em fraudar seguro desemprego. Segundo a PF, a investigação consistente em integrantes suspeitos de saques ilegais a estes benefícios dos trabalhadores.

De acordo com informações da polícia, cerca de 70 agentes federais cumprem 16 mandados judiciais expedidos pela 1ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Anápolis (GO), sendo oito mandados de prisão preventiva, seis mandados de busca e apreensão e dois mandados de condução coercitiva. Os mandados também estão estão sendo cumpridos nos municípios de Anápolis e Caldas Novas em Goiás, Nova Lima (MG), São Félix do Araguaia (MT) e Redenção (PA).

Segundo as investigações, a operação aponta que os crimes eram cometidos em várias unidades do país e, que contavam com a colaboração de prepostos do Ministério do Trabalho e também de agentes púbicos cooptados pelo grupo criminoso para alterarem os endereços dos verdadeiros beneficiários, a fim de desviar cartões e cometer as fraudes. Desta forma, os integrantes da quadrilha usavam documentos falsos para sacar dinheiro das vítimas em agências lotéricas.

De acordo com a polícia, os investigados responderão por crime de estelionato qualificado. A previsão de pena máxima de cinco anos, aumentada de 1/3 por ter sido cometido em detrimento de instituto de assistência social. Os detidos estão sendo encaminhados para o município de Anápolis.

A PF investiga também a participação de uma policial civil do Mato Grosso, esposa do principal investigado. Estima-se que a ação criminosa desviou cerca de R$ 3 milhões destes benefícios.

Foto: (PF) 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)