22 de outubro de 2017 - domingo

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cidades
Cidades
20/04/2017 | 06h00
Área azul pode ser substituída por controle eletrônico
Com o novo sistema, a SMT deve modernizar o formato da área azul. Licitações devem acontecer ainda este ano

Wilton Morais

O secretário municipal de Trânsito, Felisberto Tavares, informou ao Hoje, que a elaboração do termo de referência, para iniciar a licitação do controle eletrônico de estacionamento – paquímetro –, em Goiânia está em fase final de elaboração. Na próxima semana, o termo que já foi encaminhado ao prefeito Iris Rezende, deve voltar para a pasta para que haja inicio na elaboração de edital para licitação. O paquímetro está em discussão na Capital há 10 anos.

O sistema já existe em outras cidades do Estado, entre as quais, Catalão e Rio Verde foram apontadas como exemplo por Tavares. “Para Goiânia, procuramos o melhor sistema para o controle, além de melhor tecnologia usada”, defende o secretário. “O parquímetro já é ultrapassado, o que colocaremos, em Goiânia, será o controle eletrônico de estacionamento”, assegurou o titular da pasta em referência a uma tecnologia moderna.

Para o titular da Secretaria Municipal de Transito (SMT), a empresa ganhadora da licitação futura não poderá “onerar o preço do serviço”. O valor não deve passar de R$ 3 e os 15 minutos iniciais serão gratuitos.

Área azul Modernizada

O atual sistema de área azul é considerado cheio de inconveniências pela própria SMT. O próprio agente de trânsito é quem realiza as vendas para as bancas e pontos de distribuição do cartão. Ao receber o pagamento, o mesmo agente deposita o dinheiro na conta da Prefeitura.

Na fiscalização, o mesmo problema. “Termina a Rua Dois e a Avenida Goiás, no Centro, por exemplo, depois a equipe irá para as Ruas 4, 5 e 6. Há uma demora em voltar na avenida e repetir a fiscalização”, questiona o secretário de transito em referência ao atual modelo. Com a implantação do dispositivo, a vaga preenchida sem pagamento seria acusada pelo sistema. 

“Se a motorista não tiver o credito, o sistema é acionado, o agente irá diretamente ao local”, afirma Tavares. O novo modelo deve utilizar um formato georreferenciado, para garantir a fiscalização e a facilidade do serviço utilizado pelo condutor.

Em forma de pagamento, o sistema será semelhante ao colocar credito em celular. Haverá implantação de pontos de recarga, em locais específicos próximos às mediações das áreas que já possuem a chamada ‘área azul’.

Segurança

O sistema ainda não está definido, o que depende da oferta da empresa que será licitada. Como exemplo, Tavares, apresentou um formato de um possível modelo. “A pessoa chega estaciona o carro e realiza o pagamento. Depois que sair do automóvel, suponhamos que você vá ao banco ou algum comércio. Se o carro for roubado, o aplicativo manda uma mensagem”, disse Tavares. 

Um detalhe, nesse caso não foi o proprietário do veiculo que saiu da vaga. Ao mandar uma mensagem de agradecimento para o celular, o próprio dono do veículo aciona a ocorrência de roubo pelo aplicativo. “Cai no sistema de alarme que você sofreu o furto. É só o condutor informar que não foi ele que saiu com o carro”. 

Recentemente a SMT recuperou dois carros roubados. À ocasião, os agentes se aproximaram de veículos, em área azul, sem a devida identificação. “Ao consultar a placa, foi constatado que se tratava de roubo”, disse Tavares. Para o secretario de Transito, com o novo modelo de controle eletrônico, o tipo de situação poderá ser percebida com maior frequência, na identificação do veiculo.

O instalador técnico de antenas Acácio Pereira, Costuma deixar o seu carro em estacionamentos privados. “Pelo vandalismo, não confio em deixar o meu carro na rua. Tenho amigos que estão na justiça há muito tempo porque o carro foi roubado na área azul, e não foi indenizado, pela Prefeitura”, conta o motorista. 

Ao conhecer um pouco mais sobre a possibilidade de segurança do parquímetro, Acácio considerou passar a deixar o carro na rua, sem estar dentro do automóvel. “Creio que assim, daria uma segurança maior”, disse. 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)