22 de setembro de 2018 - sábado

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cidades
Me engana que eu posto
28/12/2017 | 17h00
Polícia Federal descobre fraude da Mega-Sena da virada?
Boato sobre adulteração das bolas do sorteio circula na internet de tempos em tempos desde 2005 e voltou à praça no final deste ano

O tradicional boato sobre “a grande farsa” descoberta na Mega-Sena está de volta. A célebre lorota, que circula de tempos em tempos pelo menos desde 2005, quando nasceu em forma de spam de e-mail, acompanhou a evolução tecnológica e tem sido compartilhada nos últimos dias via WhatsApp.

A corrente garante que “caiu a casa da Mega Sena” e que, “se você faz apostas, está sendo enganado”. Isso porque a Polícia Federal teria descoberto um esquema de corrupção envolvendo “funcionários, auditores, e muito peixe grande”, que “fraudavam o peso da bolinha, fazendo sempre dar os números que eles quisessem e botavam ‘laranjas’ para jogar em diferentes Estados”. Um escândalo bilionário – de mentira. Veja abaixo:

POLÍCIA FEDERAL DESCOBRE FRAUDE MEGA SENA DA VIRADA
A GRANDE FARSA É DESCOBERTA! BRASIL: O PARAÍSO DA SACANAGEM
ESSES CANALHAS, CORRUPTOS DESTROEM OS SONHOS DAS PESSOAS!
ATENÇÃO! SE VOCÊ FAZ APOSTAS NA LOTERIA DA CAIXA, ESTÁ SENDO ENGANADO!!!
A Polícia Federal desconfiou que estivesse havendo algum tipo de fraude na MEGA SENA DA VIRADA e, mal começaram as investigações, pegaram várias pessoas envolvidas no esquema, entre elas, funcionários, auditores, e muito peixe grande, ligadas diretamente ao governo. Era muita gente envolvida no esquema. Eles fraudavam o peso da bolinha, fazendo sempre dar os números que eles quisessem e botavam 'laranjas' para jogar em diferentes Estados. Você que achava estranho a Mega Sena acumular tantas vezes seguidamente, e quando saía o prêmio, apenas uma pessoa ganhava, geralmente em algum lugar bem distante. Só podia ser algum tipo de fraude mesmo!!! Descobriram membros da quadrilha com 4 Bilhões em contas nos paraísos fiscais; o que menos tinha, tinha 8 milhões.
Isso é sacanagem com o povo brasileiro, que trabalha demais; muitos deixam até de comer alguma coisa para fazer uma fezinha! O que muito me admira é que quase não houve divulgação!!!!!!
Na TV só passou uma vez no Jornal da Record, e outra na BAND.. Certamente foram censurados... Está na cara que o governo não quer perder a bocada que fatura cada semana com os jogos, e nem quer mais CPIs.
Está notícia não pode ficar na gaveta, espalhem!!! Vamos nos unir e dar fim a essa grande rede de corrupção que envolve o nosso país.
Colabore com a DIVULGAÇÃO e ajude a desmantelar essa corja de corruptos que levam 45% do seu salário em impostos e ainda têm coragem de levar mais... Passe para todos da sua lista de contatos.
O BRASIL todo precisa saber!!!
Dr. Wagner Di Genova Ramos PAVESIO ADVOGADOS ASSOCIADOS 55 11 4746-2513 (voice) 55 11 4743-3325 (fax)
*O único jeito de acabarmos com essa patifaria é ninguém jogar mais em nada. Aí , a CAIXA ECONÔMICA vai ter um enorme prejuízo e, talvez só assim fará alguma coisa. E o que as autoridades vão fazer agora??? Esconder como fizeram quando essa notícia vazou???
DIVULGUE... MAS DIVULGUE MESMO!
PARA VER SE ACONTECE ALGUMA COISA!!!

Já acostumado ao noticiário repleto de casos de corrupção de todo tipo em diversas empresas estatais, incluindo na Caixa Econômica Federal, responsável pela Mega-Sena, o leitor fica mais propenso a acreditar em boatos sobre descobertas de negociatas.

No caso da suposta fraude na loteria mais cobiçada do país, no entanto, uma simples busca na internet resolveria o problema. Não há, em veículos de comunicação confiáveis, nem sinal de reportagem sobre a tal adulteração nas bolas do sorteio da Mega-Sena e o uso de “laranjas” para esconder bilhões de reais no exterior. Ao contrário: há notícias falando sobre a falsidade da informação. Se uma corrente de WhatsApp denuncia “complôs da mídia” para não noticiar determinado fato, aliás, é imensa a chance deste fato ser uma grande mentira.

O tom alarmista, que apela por compartilhamentos do conteúdo, e a criação de teorias conspiratórias são outras características comuns a boatos online presentes na lorota sobre a Mega-Sena.

Além das questões formais, em 2015, em meio a uma nova epidemia da notícia falsa, a Caixa elaborou uma extensa nota em que desmoraliza o boato. O banco estatal diz ter tomado conhecimento da corrente em abril e 2005 e, “de imediato”, acionado a Polícia Federal para identificar os responsáveis.

Sobre os sorteios propriamente ditos, a Caixa explicou que eles são “conduzidos e validados formalmente por empregados da Caixa e por outras duas pessoas do público que atuam como auditores populares”. A respeito das bolas, protagonistas do fictício esquema de corrupção, a nota do banco afirma que “são de borracha maciça, numeradas e coloridas para facilitar a identificação, possuem o mesmo peso e diâmetro, características verificadas periodicamente pelo INMETRO”.

A “denúncia” sobre a suposta fraude levou à abertura de um processo de apuração no Tribunal de Contas da União (TCU) em 2006, arquivado naquele mesmo por não terem sido identificadas fraudes na Mega-Sena.

Wagner Digenova Ramos, o advogado que supostamente assina o texto espalhado na internet há 12 anos, e o escritório Pavesio Advogados Associados, onde ele trabalha, também já desmentiram o boato. Em 2006, Ramos e o escritório divulgaram que não têm “qualquer participação” na veiculação da notícia falsa, “e muito menos com o texto ali contido”.

Agora você também pode colaborar com o Me Engana Que eu Posto no combate às notícias mentirosas da internet. Recebeu alguma informação que suspeita – ou tem certeza – ser falsa? Envie para o blog via WhatsApp, no número (11) 9 9967-9374.

(VEJA.com) 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)