19 de junho de 2018 - terça-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cidades
Crime
12/01/2018 | 17h50
Sequestro de empresária em Goiânia termina bem
Caso não foi o único desta semana a ser acionado à Polícia na capital

Terminou bem um sequestro contra uma empresária durante esta semana em Goiânia. Na ocasião, a mulher que não teve seu nome identificado, recebeu uma ligação de criminosos dizendo que estes estariam em poder de sua filha.

Em seguida, a senhora foi orientada a transferir valores para uma conta bancária e se isolar em um local estipulado. A mulher, apavorada, cumpriu todas as exigências. Após checarem que a vítima havia se isolado, os bandidos acionaram sua família e disseram que ela estava sequestrada. A mulher foi localizada pela Polícia Civil, por meio da Deic, e foi ouvida pelas autoridades.

Recorrência

Este não foi o único caso de seqüestro na capital nesta semana. Na quarta-feira (10) um casal havia seqüestrado uma jovem. Em seguida, teriam obrigado-a a sacar dinheiro no estacionamento de um supermercado no Setor Bueno. Rendida com uma faca, ela foi levada ao Buriti Shopping, em Aparecida de Goiânia, onde um dos seqüestradores fez compras com o cartão da vítima e a sua comparsa, uma menor de 16 anos, ficou com a refém no estacionamento. 

A vítima conseguiu fugir e pedir socorro no estacionamento. Identificado como Samuel Brito Moraes, o seqüestrador foi preso ainda no local. A adolescente de 16 anos conseguiu fugir, mas foi identificada pelas imagens das câmeras de segurança do estabelecimento e presa logo em seguida. Nas investigações, a Polícia descobriu que há cerca de 20 dias um crime semelhante foi cometido pelo casal. 

 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)