18 de junho de 2018 - segunda-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cidades
Investigações
13/03/2018 | 17h35
Casal é indiciado por homicídio de menor no município de Caturaí
Assassinato aconteceu em outubro de 2017, quando a vítima foi morta a tiros em uma rodovia. Investigações apontam que a motivação foi vingança. Dupla nega envolvimento com o crime

Duas pessoas foram indiciadas nesta terça-feira (13) por participarem do homicídio de um menor, de 17 anos, em outubro de 2017, no município Caturaí. Tiago Correa, de 35, e Débora Bento Alves, 31, negam qualquer envolvimento com o crime. As investigações estavam a cargo da Delegacia de Polícia (DP) de Goianira.

O assassinato aconteceu em uma rodovia do município, onde a vítima aguardava um encontro com Débora e foi morta a tiros. Segundo o delegado responsável pelo caso, Bruno Costa e Silva, as investigações apontam que a motivação foi vingança, relacionada a um envolvimento amoroso que a vítima teve com a mulher, que é casada com Tiago.

As testemunhas relataram que, quando o caso extraconjugal tornou-se conhecido na cidade, Débora planejou matar o próprio marido. Depois, arquitetou a morte de um primo que ela acreditava ter espalhado notícias sobre sua relação. Contudo, os crimes não chegaram a ser tentados. Após alguns dias, Débora marcou um encontro com a vítima para lhe dar uma arma de fogo. O adolescente compareceu no local e acabou morto.

Ainda de acordo com a apuração, uma semana antes do crime, Tiago e a vítima se encontraram e conversaram normalmente. O homem teria mostrado ao menor uma arma de fogo, que não foi encontrada durante as investigações. Testemunhas informaram que Tiago estava ameaçando o menor de morte, por conta do romance extraconjugal que ele mantinha com Débora.

A DP de Goianira cumpriu mandados de prisão preventiva contra os indiciados no dia 04 de março. O casal segue preso.

 Foto: Reprodução/Internet

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)