15 de dezembro de 2018 - sábado

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cidades
Aliciadores
09/08/2018 | 10h20
Goiás é alvo da PF em esquema de tráfico internacional de pessoas
Pela internet, os criminosos chegavam até transexuais, onde ofereciam procedimentos estéticos e cirúrgicos. Oito pessoas foram traficadas para a Europa pelo grupo criminoso no ano passado

Da Redação

Foi deflagrada nesta quinta-feira (09) a Operação Fada Madrinha, que investiga tráfico internacional de pessoas e trabalho escravo. A ação tem apoio do Ministério Público do Trabalho e do Ministério Público Federal.

Cinco mandados de prisão preventiva e oito mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos nas cidades de Franca em São Pulo, Goiânia, Aparecida de Goiânia, Jataí, Rio Verde e Leopoldina. Todos foram expedidos pela 2ª Vara Federal de Franca e 52 policiais federais estão envolvidos na ação.

Com perfis falsos na internet, os criminosos chegavam até transexuais, onde ofereciam procedimentos estéticos e cirúrgicos. Aceitando a proposta, as vítimas contraiam dívidas altíssimas com os aliciadores e ainda eram feitas reféns, sujeitas à condições escravas.

Os próprios suspeitos eram responsáveis pelas aplicações de silicone industrial, para realizar procedimentos nas mamas, boca e quadris das vítimas. O produto é proibido pela Agência de Vigilância Sanitária e pelo Ministério da Saúde, podendo acarretar infecções e óbitos de pessoas.

A Polícia investigou que cerca de oito pessoas foram traficadas para a Europa pelo grupo criminoso no ano passado, quando a apuração do caso teve início.

O grupo criminoso irá responder pelos crimes de tráfico internacional de pessoas, redução à condição análoga à de escravo, associação criminosa, rufianismo e exercício ilegal da medicina. As penas podem ultrapassar 25 anos de reclusão.

 

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)