13 de novembro de 2018 - terça-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cidades
Feminicídio
15/10/2018 | 09h20
Sargento da Rotam é suspeito de matar namorada e depois suicidar
O policial, que estava de folga, bebia com a mulher em uma distribuidora de bebidas, quando ele sacou a arma, atirou contra ela e, depois, fez um disparo na própria cabeça

Sargento da Rotam é suspeito de matar namorada e depois suicidar (Foto: Divulgação/PM)

Eduardo Marques*

Um sargento da Polícia Militar (PM) é suspeito de matar a namorada, que não teve a identidade divulgada, e depois suicidar, em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da Capital. 

Segundo testemunhas, o sargento Alessandro Rosa dos Santos bebia com a mulher em uma distribuidora de bebidas, quando ele sacou a arma, atirou contra ela e, depois, fez um disparo na própria cabeça.

Ela morreu no local. Já Alessandro chegou a ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros, foi levado para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) e morreu na madrugada desta segunda-feira (15).

Policial da Rotam atira contra a mulher em porta de distribuidora de bebidas em Aparecida de Goiânia (Foto: Divulgação)

Em nota, a Polícia Militar (PM) informou que o sargento estava de folga. Disse ainda que Alessandro era lotado no Batalhão das Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam) e que "os locais de velório e sepultamento serão informados posteriormente". 

O caso ocorreu na noite de domingo (14), em uma distribuidora de bebidas que fica na Avenida Araucária, no Jardim Bela Vista, em Aparecida de Goiânia.

*(Eduardo Marques é integrante do programa de estágio do jornal O Hoje sob a supervisão de Naiara Gonçalves)  

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)