25 de abril de 2017 - terça-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cultura
COMPORTAMENTO
04/02/2017 | 06h00
Você sabe o que é sereismo?
Muito além da moda, a influência das sereias na vida dos humanos é um estilo de vida

NATÁLIA MOURA

Do mitológico até o mundo real, dos oceanos aos continentes, a figura meio humana/meio peixe domina diversos imaginários. As sereias são a personificação do mundo marinho, representantes da força da natureza chamada oceano. Há algum tempo, o termo ‘sereismo’ vem atraindo a atenção de diversos públicos. Essa visibilidade ocorreu, principalmente, por causa da moda que vem incorporando o universo das sereias aos seus produtos. Mas muito além de uma tendência, o sereismo é um estilo de vida e denuncia a devastação dos mares e da vida marinha feita pelos humanos. A jornalista Bruna Tavares foi a primeira pessoa a utilizar este termo no Brasil. Segundo ela, “sereismo é a arte de colocar uma bossa de sereia na sua vida, seja na decoração, na moda, na maquiagem... É um estado de espírito!”. 

Bruna possui um blog de maquiagem, que é um sucesso, chamado Pausa para Feminices, onde ela dá dicas de produtos e faz tutoriais de beleza. Além do Pausa, ela possui, em conjunto com a também jornalista Camila Gomes, o blog sereismo.com. “O nome veio sem querer na época em que eu estava trabalhando como colunista no blog da grife Farm (que adora esse vocabulário mais descolado). ‘Ismo’ é uma parte final que a gente usa para falar de algum movimento em moda e arte. Então a moda sereia, automaticamente, seria o sereismo”, conta Bruna que gostou tanto do termo que resolveu criar um blog para falar desse universo. No sereismo.com, Bruna e Camila escrevem matérias sobre cultura, moda, arte e lendas que envolvem sereias. 

Mas o fascínio de Bruna pelo universo das sereias começou ainda na infância quando fez uma visita ao Sítio do Pica-Pau Amarelo em Taubaté (SP). “Fiquei fascinada pela história da Iara. Até hoje, me lembro da sensação ao ver aquela estátua dentro o rio. Fiquei hipnotizada e saí de lá pesquisando tudo sobre Iara”, conta. Já sua parceira de blog é fascinada por outra sereia: a princesa Ariel, da Disney. “No meu caso, não sei se gosto da Ariel por ela ser sereia ou se gosto de sereia por causa da Ariel, mas desde criança eu sou fascinada pelas sereias”, relata Camila, que coleciona itens da princesa. Aliado a esse fascínio, Camila, junto a três amigas, criou o projeto Princesas Caiçaras. 

Fundado em 2012, o projeto busca levar a magia das princesas para crianças carentes do litoral de São Paulo. Fantasiadas de personagens, elas visitam orfanatos, asilos, creches e hospitais. Por causa do Princesas Caiçaras, Camila começou a se vestir como sereia e comprou sua primeira cauda. Hoje, segundo ela, o projeto já conta com a ajuda de mais de 20 meninas em arrecadações e passeios com as crianças. Atualmente, ela tem três caudas e mergulha, por diversão, para gravar vídeos e tirar fotos. “Ser sereia é você ser o que você quiser, vai além do modismo, não tem regras. Se você se sente sereia, se preocupa com o meio ambiente, se sente bem na natureza, então você é uma”, afirma a jornalista sobre seu estilo de vida. Além da princesa Ariel, ela se inspira em Mirella Ferraz, a primeira sereia profissional do Brasil.  

Sereia da vida real  

Mirella é natural de São Paulo (SP). Segundo ela, as sereias sempre a atraíram desde criança. “Desde que eu me entendo por Mirella, eu já sou assim, eu já falo que sou sereia, eu já me sinto sereia”, conta. Formada em Gestão Ambiental, com especialização em Biologia Marinha, a sereia Mirella sempre foi uma ativista pelo meio ambiente. Ela relembra que, ainda criança,  já escrevia cartas para Embaixada Portuguesa exigindo o fim da matança de golfinhos no Arquipélago dos Açores. O amor dela pelos animais é tão grande, que ela se tornou vegetariana aos 8 anos de idade. Hoje, ela é considerada a primeira sereia profissional do Brasil, e alcançou esse título graças a vídeos e fotos que faz de seus mergulhos com cauda. A popularidade foi tanta que ela foi convidada para trabalhar em um aquário, apresentando-se como sereia.  

Além do trabalho no aquário, Mirella possui seu próprio ateliê de caudas, a MS-Fins. Junto à mãe, ela produz vestimentas de sereia a fim de realizar sonhos de outras garotas e garotos como ela. “Persisti tanto nesse sonho, e, como sou teimosa, acabei não só virando a sereia dos meus sonhos, como fiz do meu sonho a minha vida”, conta a sereia, que também é escritora. Mas não foi fácil chegar a esse reconhecimento. A sua primeira cauda própria para nadar foi feita por ela, em 2005, com nadadeira profissional e tecido de mergulho, depois de inúmeras tentativas. “Desde pequena, eu já tentava fabricar as minhas caudas. Aos 5 anos, eu roubava meias-calças da minha mãe para colocar minhas duas pernas numa perna da meia-calça e ir nadar assim, com as pernas juntas”, relembra. 

Em 2011, os vídeos de sereia de Mirella alcançaram 11 milhões de visualizações. Depois disso, ela atendeu diversos convites de entrevistas das mídias nacional e internacional. Com toda a visibilidade, vários aquários procuraram Mirella e, por isso, ela criou um show de apresentação para os parques aquáticos, eventos, festas e aniversários. Como escritora, já publicou dois romances sobre sereias, Sereias – O Segredo das Águas (2012) e Quando as Sereias Choram (2014) – além de diversos contos. Mirella vive há cinco anos, exclusivamente, como sereia profissional em tempo integral. “Ter essa profissão, para mim, é algo mágico, é realização de toda uma vida, é persistir um sonho e não largá-lo”, conta. 

Mirella pratica mergulho, apneia, ioga, corrida e nado sincronizado no seu dia a dia. “Não sei se existe uma dieta específica para você ser uma sereia profissional. O que é imprescindível é, nos treinos em apneia, estar em jejum de algumas horas”, conta. Porém, muito além da forma física, ser sereia para ela é um estado de espírito. Segundo a ativista, a sereia é uma embaixadora dos oceanos e da vida aquática. “É algo muito mais empírico do que físico; não precisa se restringir a dieta nenhuma. Precisa apenas verdadeiramente sentir”, afirma Mirella, que também diz que, dentro disso tudo, ser sereia também é ser feminista. “A sereia é tão fantástica, tão impressionante, que ela mostra a que veio, e não tem vergonha de ser mulher, seja em que cultura for. É uma figura de beleza e de poder muito forte”, afirma. 

A dica de Mirella para quem quer trabalhar como sereia é a perseverança. “Tem que ter muita personalidade, um espírito selvagem e vigoroso. Tem que se dedicar e estudar muito, seja a fisiologia do mergulho, como também a da vida aquática”, explica ela, que complementa que para ser sereia profissional é preciso confiança. De acordo com Mirella, a vida aquática possui muitos perigos e também precisa ser respeitada; as sereias têm que saber esses limites. Além disso, para ser sereia profissional, é necessário treinar apneia, mergulho e acrobacias, e não ter medo do escuro, frio e da profundidade. “É necessário saber atuar em várias frentes do sereismo pra conseguir se sustentar mesmo nessa profissão”, finaliza. 

Moda

Izabela Araújo tem 21 anos e é estudante de Design de Moda da Universidade Federal de Goiás (UFG). Ela conta que, desde pequena, brincava de ser sereia, mas só começou a levar isso a sério em 2012, quando aderiu a moda dos cabelos coloridos de sereia. “Meus amigos começaram a me falar que eu parecia uma sereia, foi pegando o apelido, e eu comecei a gostar muito e procurar coisas de sereia pra comprar para ‘vestir’ o meu apelido”, relembra a estudante. Nos últimos anos, a tendência do sereismo invadiu os cabelos, a maquiagem, as roupas, os acessórios e até a decoração. 

Segundo a jornalista Bruna Tavares, hoje o sereismo é encontrado nas estampas de escamas e de sereias, nas texturas metálicas, no brilho iridescente dos produtos e “em tudo que lembre o mar”. Para quem quer entrar na tendência na maquiagem, Bruna conta que existem as possibilidades de uma maquiagem artística e uma de dia a dia. 

Para ela, quem quer lembrar uma sereia tem de investir no ar saudável com uma pele bastante iluminada. “Nos olhos, tons acqua e, nos lábios, aquele brilhinho iridescente que está com tudo, ou mesmo um coral, um vermelho, um violeta, um azul”, afirma a blogueira. 

Além da make, para completar o visual de sereia a dica da Bruna é investir em acessórios com design de conchas, pérolas e tudo que remeta ao mar. Izabela conta que comprava esses acessórios no eBay, MercadoLivre e no AliExpress, mas, como surgiram muitas lojinhas que aderiram ao sereismo ficou mais fácil encontrá-los. “Antes, eu tinha que procurar muito tempo para achar algum site/vendedor confiável e, agora, tudo é muito mais acessível”, lembra. Ela também afirma que está adorando ver as novas ideias que estão surgindo com a tendência. “Fico horas na internet, principalmente no Instagram e no Pinterest, vendo fotos de ensaios de sereia. É minha diversão!”, finaliza. 

 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)