27 de abril de 2017 - quinta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cultura
Assédio
04/04/2017 | 14h50
José Mayer publica carta aberta sobre acusação de assédio
Figurinista da Globo, Susllem Tonani, acusou o ator de assédio sexual dentro do camarim da empresa

Da Redação

José Mayer se pronunciou em uma carta aberta na tarde desta terça-feira (04) sobre a acusação de abuso sexual pela figurinista Susllem  Tonani, de 28 anos. No comunicado, o ator, de 67 anos, admite que errou e pede desculpas.

Há alguns dias o ator admitiu que fez brincadeiras de cunho machistas com a figurinista, mas que a culpa não era sua, mas do personagem que interpretava na última novela do horário nobre da Rede Globo, “A Lei do Amor”. 

"Eu errei. Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava. A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora", diz um trecho do texto.

"Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas. Sou responsável pelo que faço", continuou José Mayer.

"Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são. A única coisa que posso pedir a Susllen, às minhas colegas e a toda a sociedade é o entendimento deste meu movimento de mudança" completou.

Veja a carta na íntegra:

“Carta aberta aos meus colegas e a todos, mas principalmente aos que agem e pensam como eu agi e pensava:

Eu errei. Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava. A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora

Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas. Sou responsável pelo que faço.

Tenho amigas, tenho mulher e filha, e asseguro que de forma alguma tenho a intenção de tratar qualquer mulher com desrespeito; não me sinto superior a ninguém, nao sou.

Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são.

Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos sem aprender. O mundo mudou. E isso é bom. Eu preciso e quero mudar junto com ele.

Este é o meu exercício. Este é o meu compromisso. Isso é o que eu aprendi.

A única coisa que posso pedir a Susllen, às minhas colegas e a toda a sociedade é o entendimento deste meu movimento de mudança.

Espero que este meu reconhecimento público sirva para alertar a tantas pessoas da mesma geração que eu, aos que pensavam da mesma forma que eu, aos que agiam da mesma forma que eu, que os leve a refletir e os incentive também a mudar.

Eu estou vivendo a dolorosa necessidade desta mudança. Dolorosa, mas necessária.

O que posso assegurar é que o José Mayer, homem, ator, pai, filho, marido, colega que surge hoje é, sem dúvida, muito melhor.

José Mayer”

Relembre o Caso

A figurinista Su Tonani acusou o ator, de 67 anos, de assédio sexual dentro do camarim da sede da Rede Globo no Rio de Janeiro. Ela afirmou, em uma coluna da Folha de São Paulo, que o ator colocou a mão esquerda na genitália dela na frende de outras duas mulheres em fevereiro. 

Na última segunda-feira (03) a Globo se pronunciou e afirmou repudiar esse tipo de ação e que todo o caso será investigado. 

Após relato de assédio sexual feito por uma figurinista da Rede Globo contra o ator José Mayer,  divulgado em um blog do jornal Folha de S. Paulo, várias atrizes da emissora iniciaram nesta terça-feira (4) a campanha #chegadeassedio . 




 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)