16 de dezembro de 2017 - sábado

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cultura
Dia das Crianças
11/10/2017 | 06h00
Mais do que presentes, é preciso dar amor!
Dia das Crianças: momento oportuno para repensar a relação afetiva entre pais e filhos

GABRIELLA STARNECK*


Com o Dia das Crianças se aproximando, escolher um presente ideal nem sempre é uma tarefa fácil. Contudo uma dificuldade ainda maior é saber como lidar com os pequeninos, não apenas nessa data comemorativa, mas no dia a dia – principalmente diante da rotina corrida. Toda criança sente falta de atenção. Por esse motivo, nesta quinta-feira (12), os pais, além de presentear, podem aproveitar o feriado para interagir com seus filhos seja no shopping, no clube, no parque ou até mesmo em casa: o importante é dar amor!

A psicopedagoga e terapeuta Benilde Miranda alerta que a presença dos pais é fundamental para o desenvolvimento das crianças em dois grandes processos: no incentivo natural, visto que, quando os pais interagem com seus filhos – seja por meio de brincadeiras, sons e até mesmo da conversa –, eles incentivam importantes habilidades que as crianças precisam alcançar; e na observação da ausência destas habilidades. “Pais ausentes não conseguem acompanhar esse desenvolvimento – além de comprometer a saúde emocional das crianças. Aqui, cabe o dito popular: Não basta ser pai, tem que participar”, afirma a psicóloga. 


Emocional x material

Segundo Benilde, “atualmente o apego emocional vem sendo ridicularizado na mesma intensidade em que se incentiva e se fortalece o apego material”, e essa é uma questão importante para se refletir, pois cabe aos pais trazer equilíbrio nas ações diárias. “No Dia das Crianças, o presentinho é válido, mas jamais deve ser por compensação da ausência, pois as consequências são irreparáveis”, alerta a psicóloga. Benilde afirma que, atualmente, existem muitos jovens sem limites justamente por não terem recebido nenhum grau de atenção em casa.  Por esse motivo, é fundamental entender que bens materiais não devem ser usados como uma forma de suprir a ausência física.

Como já dizia o escritor Augusto Cury, “como é possível ser um bom pai, um bom amante e um bom amigo, se as pessoas que amamos estão fora de nossa agenda?”. Todo relacionamento precisa de contato, reciprocidade; por esse motivo, assim como a psicopedagoga destaca, é fundamental que no Dia das Crianças os pais reservem uma parte da agenda para terem um momento exclusivo com os filhos. “A brincadeira e o lazer simbolizam a importância do cuidado das crianças. Inclusive, costumo dizer que brincar é coisa séria, pois é na brincadeira que as crianças vão alcançando as habilidades que necessitam para seu desenvolvimento social, motor, cognitivo, afetivo – dentre outros”, afirma Benilde. Mas é claro que essa relação entre pais e filhos não deve se restringir à data comemorativa: deve ser uma realidade diária na vida familiar.


Presentes

A criançada, hoje em dia, “nasce sabendo mexer no celular”, e é natural que o desejo do público infantil esteja voltado para eletrônicos, mas existem muitas alternativas –  inclusive mais baratas –, que promovem entretenimento entre os pequenos, além de contribuírem para o processo educativo das crianças. “No mercado, existe uma série de jogos que trabalham as regras, respeito ao próximo, convívio em grupo, resoluções de problemas, tomada de decisões, cooperação, auto-confiança e responsabilidade”, afirma a psicopedagoga. Benilde sugere que os pais optem por esses brinquedos pedagógicos, que oferecem uma série de habilidades importantes no desenvolvimento infantil. 

Um alerta para os pais que procuram o presente ideal é observar se o filho não está na fase de transição entre a infância e a adolescência, pois esse processo de transformação pode gerar contendas familiares. “É importante que os pais percebam onde seu filho está nesse processo para poderem planejar esse dia sem nenhum tipo de constrangimento”, afirma a psicopedagoga. Crianças que enfrentam essa fase de transição tendem a preferir brinquedos, objetos ou roupas menos infantis. Por isso é fundamental que os pais conhecem os seus filhos para fazer a escolha, porque não é uma tarefa tão simples como pensam. 


Programações

No Dia das Crianças, os pais possuem um leque de opções para poder interagir com os seus filhos. Para quem está com o bolso apertado, uma boa opção é curtir a data  em algum parque da Capital, como Vaca Brava, Flamboyant, T-25, Cascavel, Macambira – dentre tantos outros. Os pais podem aproveitar o momento para fazer um piquenique, jogar algum jogo, ou até mesmo andar de bicicleta. Em Goiânia, além dos parques, existem diversas ciclovias que possibilitam o passeio de forma segura.

Outras possibilidades é jogar vídeo game, jogos de tabuleiro e até mesmo assistir a um filme em casa. Ir ao clube também é uma ótima opção para interação entre pais e filhos, assim como tomar sorvete, principalmente neste calorzão. Possibilidades para se divertir nessa data comemorativa e estreitar os laços familiares não faltam, então não adianta dar desculpas. Os pais devem reservar um tempinho para as atividades, porque a criança sente falta dessa interação, e presentes não suprem isso. Sem contar que a vida passa muito rápido, e esses momentos são únicos. Como a jovem Ana Vilela recomenda na letra da sua música Trem Bala:

“Segura teu filho no colo, sorria e abrace teus pais enquanto estão aqui. Que a vida é trem-bala, parceiro, e a gente é só passageiro prestes a partir”.

Integrante do programa de estágio do jornal O HOJE sob orientação da editora Flávia Popov 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)