19 de junho de 2018 - terça-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cultura
Espetáculo
16/12/2017 | 06h00
Circo Laheto apresenta ‘Uma Lição Nordestina’
Crianças e adolescentes compartilham o picadeiro com seus arte-educadores em Arte Circense

Bruna Policena*


Todos os anos, os arte-educadores escolhem um tema para ser estudado no circo. Em 2017,  foi a cultura nordestina, e, por isso, os alunos leram e fizeram atividades sobre o livro O Santo e a Porca, de Ariano Suassuna.  O livro retrata muito bem o modo de vida, crenças e hábitos do Nordeste. E foi inspirado nesta obra que surgiu o espetáculo Uma Lição Nordestina’. A apresentação de fim de ano une, no picadeiro, as crianças do projeto e seus arte-educadores, apresentando trabalho fruto da construção de todo o ano. 

O Santo e a Porca conta a história do avarento Euricão, que se apega ao dinheiro escondido em uma porca de barro. O espetáculo é a continuação da história do personagem que, já sozinho e sem dinheiro por conta da sua avareza, conversa com Santo Antônio, de quem é devoto, e este lhe dá um circo de lona, para que ele percorra pelo interior do Nordeste, conhecendo e aprendendo coisas e pessoas, levando arte. 

Wallace explica que aí começa toda a magia: Euricão passa pelo agreste, pelo sertão, e se depara até com cangaceiros, boiadeiros, passa por uma vila e uma plantação de cana. Há uma personagem, criança, que interpreta uma carcará, ave símbolo de força e resistência do Nordeste. Euricão é interpretado por Wallace, que fica o tempo todo em cena com as crianças. “É uma experiência muito bacana”, comenta  o arte-educador. 

Cada parada de Euricão é representada por um número circense. A viagem é representada pelo carro de boi e pelo pau de fita feito em perna de pau. Ao chegar a um povoado, ele se depara com muitas pessoas varrendo a porta das casas, é aí que começa um número acrobático com as vassouras. Ele também encontra cangaceiros, e os convence a trocar as armas por um instrumento circense, o diabolô. Também têm vaqueiros e fiandeiras representados pelo monociclo. E um grande maracatu.


Construção

“No primeiro semestre, trabalhamos com a regionalização, o posicionamento geográfico, as coisas que há no Nordeste... culinária, dialeto, e no meu caso, trabalhei muito a poesia dentro a literatura de cordel, músicas nordestinas, dentro das atividades de leitura”, diz Wallace Neto, que comleta: “E, juntamente com as atividades das estagiárias de Psicologia coordenadas pela professora Carine Rossi, nós sentamos, no começo do segundo semestre, e, conversando, selecionamos um livro, o Santo e a Porca. Este livro ia ser trabalhado dentro da atividade da Tertúlia Literária Dialógica, um método diferente dentro das comunidades de aprendizagem”. 

E, durante as leituras no semestre, as crianças tinham atividades com Wallace e com as estagiárias para ler o livro O Santo e a Porca. As crianças são divididas em três grupos, por idade, e fazem-se as rodas para ler coletivamente – em paralelo com as atividades de leitura e aulas de pintura, em que as crianças trabalham criativamente a construção dos personagens e das histórias. O palhaço Batatão (Lucas de Souza) e Wallace estavam incumbidos de escrever o espetáculo de fim de ano. 

E a apresentação é um momento muito esperado pelos meninos e meninas do Laheto. É quando eles mostram para as famílias e a sociedade o que aprenderam durante todo o ano. É também uma oportunidade de serem protagonistas, de serem vistos e respeitados em suas habilidades. Um  momento de libertação, em que eles veem que podem vencer as dificuldades diárias, principalmente as financeiras, e se tornarem brilhantes artistas.


Exposição

Paralelamente à apresentação, o Circo Laheto recebe Sob a Lona do Circo, Esperança!, uma exposição fotográfica e exibição de documentários sobre o circo, os artistas e as crianças e adolescentes que participam do projeto do circo social. A exposição conta com 140 fotos e oito documentários realizados durante o ano de 2017 por alunos e ex-alunos dos cursos de graduação e pós-graduação em Cinema e Audiovisual da Universidade Estadual de Goiás (UEG) sob orientação do coordenador do CriaLab, professor Marcelo Costa, e da professora Júlia Mariano. 

Alunos do curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Federal de Goiás (UFG), sob coordenação da professora Ana Rita Vidica, também registraram as atividades do circo, e suas fotografias também fazem parte da exposição. As imagens retratam o dia a dia do circo, espetáculos, os arte-educadores e as atividades do projeto social Arte, Circo e Cidadania. A exposição utiliza o espaço circense e materiais e instrumentos do circo. As fotos foram impressas em formatos e suportes variados, e os visitantes poderão interagir com a exposição. 


Laheto

O Circo Laheto é uma Organização da Sociedade Civil (OSC) que, há 24 anos, trabalha com meninos e meninas de bairros vizinhos e escolas públicas de Goiânia, totalizando mais de 6 mil crianças e cerca de 4.500 famílias atendidas por meio do projeto Arte, Circo e Cidadania. Atualmente, 180 crianças e adolescentes fazem aula no Laheto gratuitamente.

Também são dadas oficinas de Matemática, Nutrição e Pedagogia, ministradas por professores e estagiários da UFG. E ainda fazem as tarefas escolares com o auxílio dos coordenadores do programa Mais Educação parceria escolas/circo e dos arte-educadores.

*Integrante do programa de estágio do jornal O HOJE sob orientação 

da editora Flávia Popov


SERVIÇO

Espetáculo Circense ‘Uma Lição Nordestina’ e exposição ‘Sob a Lona do Circo, Esperança!’

Quando: domingo (17)

Onde: Circo Laheto (Parque da Criança –  ao lado do Estádio Serra Dourada)

Horário: 15h

Entrada: R$ 10 (inteira) 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)