15 de outubro de 2018 - segunda-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cultura
Igualdade
15/05/2018 | 15h12
Evento vai debater o papel da imprensa ao tratar a LGBTIfobia
Com tema “Jornalismo Livre de Preconceitos”, atividade pretende discutir a responsabilidade da imprensa em torno da diversidade

O Centro Acadêmico de Jornalismo da PUC Goiás promove nesta quinta-feira (17), às 8h, no campus V da universidade, mesa redonda em comemoração ao Dia Internacional de Enfrentamento a LGBTIFobia (Lésbicas, gays, bissexuais, travestis e intersexo). Os convidados discutirão o papel e as responsabilidades da imprensa ao tratar sobre a temática LGBTI.

Na mesa redonda estarão o Superintendente de Políticas Públicas LGBT da Prefeitura de Goiânia, Victor Hipólito; o jornalista cultural Clenon Ferreira; o jornalista e pesquisador de gênero e sexualidade Fernando Matos e a historiadora, mestranda em antropologia pela UFG e ativista social Yordanna Lara. A professora Carol Goos mediará a conversa.

O Brasil é um dos países com os maiores índices de violência contra as pessoas LGBTI. De acordo com dados do Grupo Gay da Bahia (GGB), que mapeia assassinatos de homossexuais e transgêneros no país há 38 anos, em 2017 morreram 445 pessoas vítimas de preconceito, incluindo suicídios motivados.

Para o presidente do Centro Acadêmico Lucas de Godoi, as reflexões devem ser feitas também pelos empregadores. “Outra questão que precisa ser debatida é em relação ao mercado de trabalho. São poucas as empresas que contam com programa de diversidade, realidade que precisa ser superada. Sem oportunidades, o que restam a muitas pessoas são trabalhos sexuais”, argumenta Lucas de Godoi.

Lucas cita estudo da empresa de recrutamento e seleção Elancers, que ouviu em 2016 dez mil empregadores e indicou que 20% das companhias se recusam a contratar homossexuais. O levantamento ainda aponta que 7% não contratariam um LGBTI “de modo algum”, enquanto 11% só considerariam a efetivação caso o funcionário jamais pudesse chegar a um cargo de chefia. “Esses dados indicam uma dura realidade que é vivenciada diariamente pelas pessoas LGBTI. É por isso que é tão importante trazer esse debate para o ambiente acadêmico”, destaca.

De acordo com Yordanna Lara, “diversidade é o sinônimo mais próximo de humanidade”. Ela defende o diálogo como forma de fortalecer a igualdade. “É o debate, a desmistificação de ideias que vai nos alinhar e fortalecer enquanto humanos, principalmente em tempos tão violentos e desumanos como o que estamos vivenciado no Brasil e no mundo”, acredita.

Serviço

Mesa Redonda Jornalismo Livre de Preconceitos

Quando: 17 de março (quinta-feira), das 8 às 10h

Onde: Campus V da PUC Goiás, Miniauditório 207-B

 
Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)