13 de novembro de 2018 - terça-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cultura
Mundial
19/10/2018 | 15h52
Dia Mundial da Psoríase é lembrado em mais de 50 países
Data, estabelecida pela OMS, é celebrada neste dia 29 de outubro

A psoríase é uma doença de pele crônica e não contagiosa (Foto: Reprodução)

Da Redação

A psoríase, doença de pele crônica e não contagiosa, é lembrada mundialmente, neste dia 29 de outubro, data estabelecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e reproduzida em 59 países com o objetivo de difundir informações sobre a doença que afeta 125 milhões de pessoas no mundo, sendo 5 milhões de brasileiros  e sobre a melhoria da qualidade de vida dos portadores. 

A Sociedade Brasileira de Dermatologia – Regional Goiás (SBD-GO) evidencia  a importância do acompanhamento de médicos no diagnóstico e no tratamento da doença, lembrando que pessoas com psoríase têm mais riscos de desenvolver outras patologias, também conhecidas como comorbidades, dentre elas, artrite psoriática, diabetes tipo 2, problemas cardíacos, acidente vascular cerebral e doenças inflamatórias intestinais.

De acordo com o presidente da SBD-GO, Adriano Loyola, a mensagem principal da Campanha Nacional de Psoríase 2018 é ressaltar que, apesar de a doença não ter cura, tem controle e tratamento para a melhora da qualidade de vida dos pacientes. “O protocolo clínico da doença evoluiu muito, nos últimos anos, e vai além dos medicamentos tópicos como cremes, loções e xampus. Dependendo do grau, existem outras formas de cuidar dos pacientes, como a fototerapia, os medicamentos sistêmicos e os injetáveis (biológicos)”, afirma o dermatologista.

Sintomas

De acordo com Loyola, a psoríase apresenta um conjunto variado de sintomas que, às vezes, podem ser confundidos com sinais de outras doenças de pele. “Os sintomas mais comuns são lesões róseas ou avermelhadas, recobertas por escamas esbranquiçadas, que afetam a pele, especialmente em cotovelos, joelhos, couro cabeludo, unhas, palmas das mãos e plantas dos pés”.

Ainda segundo o médico, a doença é cíclica, ou seja, apresenta sintomas que desaparecem e reaparecem periodicamente, e a causa é desconhecida. “Sabe-se que a causa da psoríase pode estar relacionada ao sistema imunológico, às interações com o meio ambiente e à suscetibilidade genética”, diz Loyola, que finaliza: “A psoríase tem controle e não deve ser motivo de preconceito. Procure um dermatologista nas unidades de saúde do SUS ou no site da Sociedade Brasileira de Dermatologia”.

Comorbidades

Segundo informações do comitê científico da Psoríase Brasil – entidade sem fins lucrativos, sediada em Porto Alegre (RS), formada por médicos dermatologistas membros da SBD –, os 5 milhões de brasileiros portadores dessa doença têm como característica comum o desconforto causado pelas lesões na pele. A comissão lembra que “a psoríase não é apenas um problema dermatológico: as manchas e marcas externas podem representar apenas a pontinha do iceberg”.

As comorbidades associadas à psoríase muitas vezes são crônicas e incapacitantes, conforme informa o comitê: “Cerca de 30% dos pacientes com a doença são diagnosticados com artrite psoriática; o risco de ter diabetes tipo 2 também é elevado: em 46% dos pacientes com psoríase grave, é provável que a doença se manifeste; as chances de um problema cardíaco importante são aproximadamente 58% maiores; um acidente vascular cerebral, entre os pacientes com psoríase grave, é 43% mais frequente; eles também têm 7% mais chances de desenvolver doenças inflamatórias intestinais; além disso, uma em cada quatro pessoas com a doença relatam problemas psicológicos como ansiedade, depressão e estresse”.

Ainda de acordo com informações do comitê da Psoríase Brasil, o diagnóstico precoce da doença e a avaliação simultânea desses pacientes em relação às comorbidades podem representar a redução de danos para a saúde: “A psoríase e as doenças correlacionadas a ela têm um impacto de grande importância no dia a dia dos pacientes. E os efeitos invisíveis, que caminham juntamente com as comorbidades, também afetam diretamente a vida de quem tem psoríase. Então, antes de pensar que as machas na pele são uma questão estética, os pacientes devem lembrar que tais manchas são apenas o que se pode ver, e que o tratamento sempre é mais eficaz quando existe conhecimento, amor, cuidado e respeito”.

 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)