Cultura

Série de documentários valoriza músicos de Senador Canedo

Postado em: 29-03-2021 às 10h00
No total são 15 episódios do Relatos Musicais, sendo que nove já estão no ar, produzido com verba da Lei Aldir Blanc. | Foto: Reprodução

O setor mais afetado na crise que veio com a pandemia foi o cultural. Músicos, cineastas, produtores culturais, editores, técnicos de som, são algumas das muitas categorias deste meio que foram afetados diretamente. Foi criada em 2020 a Lei Aldir Blanc, que é uma ferramenta emergencial para auxiliar estes profissionais a sobreviverem em meio a este momento de paralisação.

Um dos projetos contemplados neste auxilio foi o “Relatos Musicais em Senador Canedo”, que como o nome diz, aborda a trajetória de artistas deste município da região Metropolitana de Goiânia. A idealizadora e produtora foi a Cineasta Carmelita Gomes, que trabalha com cultura na cidade há mais de dez anos.

Ela afirma que é uma série de documentários, com em média dez minutos, que aborda individualmente a trajetória de cada banda/cantor/dupla abordado. “Procuramos fazer uma curadoria com diversidade musical, temos artistas do Rap, MPB, Gospel, Rock, Blues, Sertanejo, Forró e Heavy Metal”, salientou.

Carmelita reforça que não somente os músicos foram beneficiados durante a construção dos documentários, pois há toda uma cadeia produtiva envolvida. “Sonoplastas, cinegrafistas, fotógrafos, maquiadores, editores de vídeo, temos diversos trabalhadores que participam e também estão sendo pagos pelo serviço exercido”, cita.

A produção aborda a história dos personagens envolvidos, como se iniciaram na música, as passagens interessantes de suas carreiras e principalmente sua afinidade com a cidade de Senador Canedo. “O nosso município é muito rico em talentos, mas às vezes isto é pouco divulgado aqui dentro, então o Relatos Musicais também trás essa função de registro histórico inédito nesta cidade”, comenta.

Em janeiro foi liberado os três primeiros episódios, com a banda Xtorm, a cantora Jordana Guaracy e o músico Rheuter. Já em fevereiro, o cantor Marivaldo Santos, os grupos Feras do Forró e Balaclava Corp, e a cantora Joelma Nunes que tiveram seus documentários colocados no ar. Neste mês de março, dois vídeos já foram colocados no ar, do grupo de rap Resgate Periférico e do cantor Lucas Júnior.

A produtora comenta que ainda neste mês sairá mais um episódio, e que a previsão é em abri para maio termine de publicar todos os 15 artistas participantes. “Esses vídeos estão disponíveis gratuitamente no Youtube, é valoriza toda a história destes maravilhosos músicos”, entoa.

A previsão inicial do projeto era de englobar dez participantes, mas carmelita ressalta que acabou por estender ele para 15, pois haviam muitos talentos que precisavam ser divulgados, e que a premiação iria auxiliar neste momento de crise.

Prêmio

Os valores dos participantes se alterna, dependendo da situação, cantores solo receberam mil e quinhentos reais, enquanto que bandas tiveram a premiação de 4 mil reais. “Buscamos distribuir de maneira que ficasse um rendimento decente para cada um, lógico que se tivéssemos uma verba maior, essa remuneração também seria maior, pois eles merecem e precisam muito mais do que este valor”, desabafa.

Na cadeia de rendimentos, carmelita comenta que mais gente foi englobada financeiramente por conta do Relatos Musicais. “Temos que colocar na ponta do lápis que os cinegrafistas também receberam, um técnico de som, maquiadora, editor de vídeo, se formos olhar todo o pessoal envolvido, creio que passam de 40 pessoas que foram beneficiadas”, reforça.

Participantes

Um dos contemplados, Rheuter é um cantor e compositor da cidade que já ganhou prêmios diversos, dentre eles, destacando o Juriti Canto e Poesia, que ele levou quando tinha apenas 15 anos. O músico cita que sua carreira começou vendo festivais de rock na cidade, como o Rockriativo, teve uma banda de Blues, mas se achou mesmo na MPB, com influências de Tropicália.

Até antes da pandemia, ele era uma figura carimbada do centro de Goiânia, era fácil flagrar o músico mostrando sua arte no corredor de acesso ao Mercado Central de Goiânia, entre a Anhanguera e a Rua 03. Ele é um exemplo direto de pessoa afetada pela pandemia, pois ali era onde tirava seu sustento, e com a crise sanitária, não pode mais estar por ali.

Já a banda Xtorm fez uso da premiação para alavancar e estruturar-se melhor, já que os custos de operação de uma banda de Heavy Metal profissional são altos. Segundo o guitarrista Pedro Jordan, gravar, fazer merchandising, criar artes e manutenção de equipamentos geral muitos gastos, e a verba da lei auxiliou bastante a banda a poder evoluir. “Compramos equipamentos, confeccionamos camisetas para venda, assim vimos uma maneira de multiplicar esse prêmio e fazer a banda crescer”, cita.

Episódios já publicados

1° - Banda Xtorm - https://www.youtube.com/watch?v=dqBtKleDN-s 

2° - Cantora Jordana Guaracy - https://www.youtube.com/watch?v=ooZpOXRbbrE

3° - Cantor Rheuter - https://www.youtube.com/watch?v=Q9lWdKSlcLA 

4° - Cantor Marivhaldo Santos - https://www.youtube.com/watch?v=mZUV5Wi7EKQ 

5° - Banda Balaclava Corp. - https://www.youtube.com/watch?v=LhZrIjxqHKo 

6° - Cantora Joelma Nunes - https://www.youtube.com/watch?v=1HjT2DdWTxo 

7° - Grupo os Feras do Forró - https://www.youtube.com/watch?v=zx0bnzqqJGc

8° - Cantor Lucas Júnior - https://www.youtube.com/watch?v=w_NOH0-S_0g 

9° - Grupo Resgate Periférico - https://www.youtube.com/watch?v=CZkw9DHE7cY&t=287s 

 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar