24 de agosto de 2017 - quinta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Economia
Compras
03/04/2017 | 08h00
Novas regras do cartão de crédito rotativo começam a vigorar hoje
O consumidor que não pagar sua fatura de cartão de crédito integralmente só poderá utilizar o financiamento automático por 30 dias

O Procon Goiás informa que a partir de hoje entram em vigor as novas regras de utilização do crédito rotativo do cartão de crédito. De acordo com a Resolução nº 4.549, de 26 de janeiro de 2017, do Conselho Monetário Nacional, o consumidor que não pagar sua fatura de cartão de crédito integralmente só poderá utilizar o financiamento automático, conhecido como crédito rotativo, por no máximo 30 dias.

A partir desse período, o saldo em aberto no cartão de crédito deverá ser pago integralmente. O consumidor poderá quitar o débito por meio de recursos próprios ou por meio do parcelamento da fatura. Essa segunda modalidade deverá ser obrigatoriamente oferecida pela administradora do cartão.

O parcelamento ofertado ao consumidor deverá ter taxas de juros menores que as praticadas no crédito rotativo. O saldo financiado será considerado abatido do limite do cartão de crédito e, à medida que as parcelas forem pagas, o saldo retornará parcialmente.

Ainda que as taxas do parcelamento sejam menores que as praticadas no rotativo, elas continuam sendo altas, segundo o Procon. Para o órgão de defesa do consumidor, se ele tiver condições de contratar outra modalidade de crédito com taxas mais baixas para o pagamento total da fatura, será mais vantajoso.

Simulação

Para um saldo a pagar em uma fatura de R$ 3 mil, financiado automaticamente pelo crédito rotativo, mas não pago por três meses, o consumidor terá, ao final do prazo, uma dívida de R$ 5.055,47. Ou seja, o cliente do cartão terá um acréscimo de 68,51% na dívida original.

Considerando o parcelamento com taxas mais reduzidas, o consumidor pagará nos três meses seguintes parcelas de R$ 1.185,16. Ou seja, a dívida inicial de R$ 3 mil, ao final, terá sido paga por R$ 3.555,48, um acréscimo de 18,51%, que é um pouco mais vantajoso para o consumidor.

Nesta simulação, para o cálculo do crédito rotativo, foram utilizados juros remuneratórios de 16%, juros moratórios de 1% ao mês e multa de 2% (média de mercado).

Para o cálculo do parcelamento, o Procon utilizou a taxa de juros de 9% ao mês, que alguns bancos estão divulgando como sendo a que será cobrada nessa modalidade de parcelamento. (Goiás Agora) 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)