22 de julho de 2018 - domingo

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Economia
Economia
23/10/2017 | 06h00
Goiás tem fazenda de energia
Empresa inaugura primeira geração remota fotovoltaica no Estado, que poderá beneficiar empresas, condomínios residenciais, e cooperativas com expectativa de até 25% de redução na fatura de energia elé

Foi inaugurado em Goiás o serviço de arrendamento de sistemas fotovoltaicos para produção de energia solar remota, em São Luís de Montes Belos, a cerca de 120 quilômetros da Capital. A novidade se torna uma alternativa de geração limpa e mais econômica, possível de ser usufruída por condomínios, cooperativas e empresas que não possuem espaço próprio para promover sua própria geração. 

O primeiro projeto a entrar em operação será o da Compleite, agroindústria da Cooperativa Mista dos Produtores de Leite de Morrinhos (Complem). O insumo será suficiente para suprir dez unidades consumidoras da Compleite. A estrutura é composta de 832 painéis solares policristalinos, com 262 quilowatts pico (kWp) de potência instalada em 4,5 mil m2 de área ocupada. A expectativa é que o sistema gere uma economia entre 15% e 25% na fatura de energia elétrica ao longo de dez anos. 

A capacidade total da fazenda solar será 504 mil quilowatts hora (kWh) de energia limpa por ano, o suficiente para atender cerca de 220 residências, com custo médio de R$ 150 mensais na conta de energia elétrica. A geração é equivalente a aproximadamente 400 toneladas de CO2 a menos na atmosfera que seriam lançados se a produção de energia viesse de termelétricas movidas a óleo combustível.

“A geração de energia solar é uma tendência mundial e nós, no Brasil, somos privilegiados por contar com clima tropical o ano todo. Mesmo em período de retração econômica, a demanda energética cresceu só com o aumento vegetativa da população e vamos precisar do equivalente a mais três usinas de Itaipu nos próximos dez anos. É preciso investir em outras alternativas”, diz o engenheiro elétrico Rodrigo Arruda, diretor da Solar Cedro, empresa responsável pela implantação e administração da fazenda solar.


Falta de espaço

O arrendamento de plantas solares remotas é uma forma de fazer a compensação do consumo de energia elétrica por clientes de baixa tensão - unidades consumidoras atendidas em tensão inferior a 2,3 quilovolts (kV). Inclui o cliente residencial, rural, estabelecimentos comerciais ou industriais de pequeno porte (como mercearia, postos de gasolina, farmácias, panificadoras, mercearias entre outras) e iluminação pública. A fazenda solar vem justamente evitar que a falta de espaço físico da unidade consumidora para a instalação das placas fotovoltaicas seja um entrave para essa iniciativa.

“Este era um dos grandes entraves, pois o telhado de um prédio, por exemplo, não é suficiente que receber todas as placas necessárias para atender a demanda dos moradores”, explica Rodrigo. A energia é obtida por meio de módulos fotovoltaicos ligados à Celg Distribuição, que opera por meio do sistema de compensação de energia elétrica. A produção  ativa é injetada, por meio de empréstimo gratuito, à distribuidora local que, por sua vez, traz desconto à conta de energia do arrendatário da energia produzida pela fazenda solar.


Expansão

Rodrigo Arruda estima implantar até 2020 outras cinco unidades de produção de energia solar remota em propriedades rurais no município de São Luís de Montes Belos para ampliar a oferta no Estado, chegando a 20.000 kW, o suficiente para abastecer a 23.800 residências. A expectativa é que, a partir de 2018, pelo menos uma delas (o segundo) já entre em operação.  Ele explica que o aluguel ou arrendamento de sistema de geração de energia solar é uma terceira opção permitida pela a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para obtenção de energia elétrica. “As outras alternativas são comprar da companhia energética local, o que predomina, e gerar a própria energia elétrica”, observa.

Para gerar a própria energia, é necessário implantar a estrutura na área do próprio consumidor, outra expertise que a Solar Cedro também possui. Nesse formato, o contratante faz investimentos no projeto e na aquisição do equipamento. O formato exige um investimento inicial, mas o ganho é ainda maior. Segundo Rodrigo Arruda Rosa, “a tarifa cobrada sofre redução de 90%, assegurando um retorno do capital em cinco anos. Já o equipamento possui vida útil de até 20 anos”. 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)