Domingo, 25 de agosto de 2019
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

Economia

Medicamentos, etanol e biodiesel ajudam a derrubar produção industrial no Estado

Postado em: 11-06-2019 as 21h05
Lauro Veiga

Não têm sido tempos fáceis para a indústria em Goiás, como vêm mostrando os dados da pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre a produção industrial regional. Depois de um início de ano razoavelmente positivo, com taxas até promissoras de crescimento observadas em janeiro e fevereiro, os dois meses seguintes foram mais do que decepcionantes: passaram a apontar uma tendência de maior debilitação do setor, com piora nos indicadores e uma sinalização de números negativos para o fechamento do segundo trimestre – ainda que os dados de maio possam vir positivos, diante da base achatada de comparação, quando a atividade industrial foi afetada muito negativamente pela greve dos caminhoneiros no mesmo mês do ano passado.

Desta vez, o estrago não ficou concentrado no setor de extração mineral, que vem acumulando dados extremamente negativos em decorrência principalmente do fechamento da mina de amianto em Minaçu, explorada pela Sama (controlada, por sua vez, pela Eternit, hoje em processo de recuperação judicial). A indústria de transformação veio com números igualmente negativos em abril, sob influência da queda na produção de medicamentos, etanol e biodiesel, mas com perdas relevantes igualmente para o setor de fabricação de produtos de metal (excluído o segmento de máquinas e equipamentos) e de veículos – setor que vem perdendo importância rapidamente na composição do produto industrial em Goiás, quase reduzido a uma situação de irrelevância, a despeito dos incentivos fiscais concedidos pelo Estado.

Retrocesso

Na comparação com março deste ano, a produção caiu 1,4% em abril, o que se compara com uma variação modestíssima (mas positiva) de 0,3% colhida pelo restante do setor no País. Goiás revê o quarto pior resultado para o mês entre todas as unidades da federação acompanhadas pelo IBGE. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, a produção caiu pelo segundo mês consecutivo, despencando 5,9% (em março, a queda havia sido de 1,4%). Mais uma vez, o resultado veio pior do que a média do País, que registrou baixa de 3,9%. O desempenho foi suficiente para devolver todo o avanço de 2,2% acumulado no primeiro trimestre, já que a produção estadual fechou o quadrimestre janeiro-abril com recuo de 0,2%. Na série mais recente, sempre tomando igual período de 2018 como base para comparação, a produção da indústria goiana havia avançado 4,8% e 3,9% em janeiro e fevereiro, respectivamente, para experimentar, na sequência, dois meses de perdas.

Balanço

·   Ainda em relação a idêntico período de 2018, ainda que a produção do setor de extração mineral tenha encolhido 19,2% (com contribuição negativa dos segmentos de fosfato, amianto, cobre, calcário e brita), esta não foi a principal contribuição negativa, ao contrário do que havia sido verificado em março.

·   O tombo de 23% na produção de produtos farmoquímicos e farmacêuticos, concentrado no setor de medicamentos (por sua vez majoritariamente instalada em Anápolis, Goiânia e Aparecida de Goiânia), contribuiu com pouco mais de 38% para a queda de 5,9% observada para o conjunto da indústria estadual.

·   As perdas no setor de biocombustíveis (etanol e biodiesel) tiveram influência de 23,9% na queda geral, expressa numa retração de 8,1% na produção do setor. A redução pode ser explicada, em parte, pelo atraso no início da safra de cana de 2019/20 como decorrência das chuvas que caíram em abril, interrompendo a colheita.

·   Com baixa de 19,2% em abril (sobre o mesmo mês do ano passado), a indústria de veículos contribuiu com 16,6% para a queda geral, com perdas para montadoras de veículos de carga a diesel e automóveis.

·   As indústrias de produtos não metálicos, que atende principalmente o setor de construção, e de produtos de metal, por sua vez, sofreram perdas de 3,4% e de estrondosos 23,6%.

·   Diante desses números, a produção da indústria de transformação caiu 5,3% em abril, mas encerrou o primeiro quadrimestre com ligeiro avanço de 0,7%.

No dado quadrimestral, a contribuição positiva veio dos setores de alimentos, com elevação de 2,9% frente a igual período de 2018, e de biocombustíveis (mais 9,5%). 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja buscar