18 de junho de 2018 - segunda-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Esporte
Vôlei
17/02/2018 | 11h40
Giba tem prisão expedida por não pagamento de pensão alimentícia
Ídolo do esporte não está no Brasil e solicitou, por meio de seus advogados, que prisão seja adiada a fim de que se marque uma nova audiência de conciliação

O craque do vôlei, Giba, teve sua prisão decretada nesta sexta-feira (16). De acordo com a Folha Press, o ex-ponteiro da seleção brasileira não teria pago a pensão alimentícia dos dois filhos que tem com a também jogadora de vôlei, Cristina Pirv, Nicoll e Patrick.

A prisão, no entanto, não chegou a acontecer pois Giba conseguiu uma liminar para suspender temporariamente a decisão até que uma nova audiência seja marcada.

O jogador está neste momento em PyeongChang, na Coreia do Sul, onde acontecem os Jogos Olímpicos de Inverno e onde promove o vôlei na neve, auxiliando a Federação Internacional do esporte (FIVB).

A dívida de Giba é cumulativa e corresponde ao atraso de 10 meses de pensão alimentícia. Por meio de seus advogados, ele alegou não ter condições para pagar o valor, chegando a ter pedido há alguns meses a diminuição do montante mensal depositado na conta dos filhos.

Seu advogado, José Rodrigo Sade, afirmou que não havia sido informado sobre a ordem de prisão e garantiu que Giba estava tranquilo e que a possibilidade de que fosse preso seria nula. 

Procurado, o advogado de Pirv, Rodrigo Reis Silva contra-argumentou dizendo que o mandado havia de fato sido expedido, mas que não poderia dar maiores detalhes já que o processo seguia em segredo de justiça.  

(Foto: Reprodução)

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)