Segunda-feira, 06 de abril de 2020
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

Esporte

Diego Lorenzi não vê a hora de voltar aos gramados: “Meu pensamento diário”

Postado em: 25-03-2020 às 13h00
Brasileiro chegou ao Oman Club há menos de um ano e espera fim de paralisação para voltar a jogar – Foto: Arquivo pessoal

Victor Pimenta

Os primeiros casos do Covid-19 aconteceram no dia 31 de dezembro do de 2019, na cidade de Wuhan, na China. De lá para cá, o cenário mundial foi tomado pela pandemia mais conhecida como coronavírus. A doença que já fez milhares de vítimas fatais, tomou conta do futebol, paralisando grande parte dos campeonatos.

Não muito distante da China, em Omã, um país asiático também sofre com as consequências da doença, tendo seus dois primeiros casos no final de fevereiro. Hoje já são oitenta e quatro casos confirmados, mas nenhuma vítima fatal.

Se em grande parte dos campeonatos asiáticos foram paralisados, o mesmo acontece com Omã, onde atua o volante brasileiro Diego Lorenzi, jogador do Oman Clube, que falou como foi receber a notícia morando no continente asiático.

“Aqui no país não foi um alarde assim tão grande, principalmente no meu clube. As pessoas aqui são muito tranquilas, muito serenas e faltando dois dias para o último jogo, recebemos um comunicado que o campeonato seria cancelado a princípio por um mês. Fomos para o jogo e quando voltamos, ficamos dois dias parado. Jogamos no sábado e na segunda tivemos a notícia que o campeonato foi cancelado até setembro. Então, não teve um alarde continuo assim, tanto que eles já avisaram e bloquearam em questão de dois, três dias. Faz uma semana já desde o último jogo, já resolvi tudo e estou para voltar para o Brasil”, disse o jogador.

Natural de Xanxerê, Santa Catarina, Diego Lorenzi chegou ao país recentemente não tendo completado um ano de clube. No futebol brasileiro, jogou em clubes como Mirassol, América Mineiro, Mogi Mirim, Luverdense, Londrina e por último o Santa Cruz antes de mudar de continente. Aos 30 anos, ele comentou o que espera com o possível retorno das competições.

“Meu pensamento é diariamente quando irá começar os campeonatos novamente, porque hoje com essa paralisação, com esse encerramento de contrato, acabamos ficando desempregado e acaba que a gente não vê a hora disso tudo terminar para que os campeonatos voltem, para que os clubes voltem para voltarmos a trabalhar. Tenho certeza que quando voltar, será uma alegria para todo mundo, porque tem muitas pessoas com incertezas, que não sabem o que fazer, porque a maioria dos jogadores brasileiros pelo mundo não ganham salários astronômicos, mas sim salários que dá para se manter. E com três a cinco meses sem trabalhar é um problema muito grande para quem tem família para cuidar”, ressaltou o brasileiro.

Mesmo distante de casa, o volante procura um jeito de falar com seus familiares. Diego Lorenzi apesar de ser do oeste de Santa Catarina, tem familiares em outras regiões e que de longe fica preocupado, mas com fé para dar tudo certo no final.

“Eu converso diariamente com minha família e a situação está bem crítica. Tenho familiares no estado de São Paulo, o estado mais afetado e também tenho familiares em Santa Catarina, um dos estados também mais afetados e tem me preocupado muito, mas a gente confia em Deus e tenho certeza que o melhor ele tem para a gente e que vamos passar por cima disso sem nenhum problema. (Especial para O Hoje)

 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar