Essência

‘Cidade Buraco’: quando a literatura se torna acessível

Postado em: 30-05-2018 às 06h00
Primeira edição da novela gráfica transmídia será lançada em português e inglês, nesta quarta, em Goiânia

GABRIELLA STARNECK*


A novela gráfica Cidade Buraco, criada pelo quadrinista Emerson Rodrigues, será lançada nesta quarta-feira (30) na Livraria Palavrear. Produzidos pela Hábil Produção e publicados pelo Selo Tuci da Nega Lilu Editora, os livros buscam construir as primeiras pontes entre o público leitor e múltiplas plataformas de comunicação, onde desdobramentos da história estão ancorados. 

Com apoio do Fundo de Arte e Cultura de Goiás, o primeiro episódio da série, Cidade Buraco: Livro I e sua versão em inglês Hole City: Book I, integra um projeto editorial transmídia que será lançado, com exposição dos desenhos originais. “Ao longo da leitura, a história em quadrinhos vai fazendo convites à imersão neste universo pós-apocalíptico”, releva Emerson Rodrigues, referindo-se ao conteúdo complementar que é oferecido a leitores por meio de QRCodes.


‘Cidade Buraco’

Segundo Emerson Rodrigues, uma série de fatores instigaram a criação da obra: “Há vários anos trabalho com desenho animado, além disso, gosto muito de histórias que envolvem os porquês de as cidades terem sido criadas. Por isso eu quis falar como a Cidade Buraco surgiu e se desenvolveu – me interesso por esse tema”. O autor da novela  gráfica ainda revela que a cidade retratada na história está localizada em um deserto, dentro de um buraco, e por isso a escolha do título Cidade Buraco.

O trabalho estará disponível ainda em audiolivro, com audiodescrição, que busca ampliar a acessibilidade deste trabalho – alcançando também pessoas com deficiência visual. “Na verdade cada vez mais a sociedade está falando de acessibilidade, e meu sogro, a um tempo atrás, perdeu a visão, então você se depara com uma nova realidade. E o quadrinho, por ser uma mídia muito visual, dificilmente é encontrada em audiolivro, então a proposta é que esse trabalho alcance mais pessoas”, afirma Emerson Rodrigues.

Os diversos personagens foram interpretados pelo ator Rodrigo Ungarelli, com participação especial de Emerson Rodrigues, Daniela Fiuza e Larissa Mundim. A primeira tiragem desta edição da história em quadrinhos, em português, tem um CD com o audiolivro encartado. De acordo com a Nega Lilu Editora, em breve, o audiolivro estará disponível em streaming, distribuído para toda a América Latina. Cidade Buraco: Livro I e Hole City: Book I também tem seu lançamento nacional programado para 7 de julho, durante a Feira Dente, em Brasília, o maior evento de publicações independentes do Brasil Central.


Sinopse

A humanidade está em guerra há séculos, milhões de pessoas estão refugiadas, culturas foram soterradas, somente a baixa tecnologia está disponível e o meio ambiente encontra-se degradado, na novela gráfica Cidade Buraco. Emerson Rodrigues afirma que a cidade, escondida no meio do deserto, é um organismo vivo que protagoniza a série e, por meio dela, o leitor é convidado a refletir sobre o nosso tempo. “Desenvolvimento tecnológico nem sempre significa avanço”, comenta ele.

No universo pós-apocalíptico criado pelo quadrinista, gerações inteiras nasceram e morreram sem saber por que lutavam. Por isso, a saga contada em torno da existência da Cidade Buraco traz referências à cultura que se instala em situação de combate, justificando a valorização da bala em detrimento do ouro. “Na trincheira, as pessoas continuam existindo e coexistindo, mas as necessidades humanas mais básicas dão lugar à busca de novos modos de sobrevivência”, reflete.

Em Cidade Buraco, de maneira direta e indireta, o leitor vai encontrar menção ao nazismo, à Guerra Fria, bem como a outros episódios históricos de disputa por poder e que resultaram em danos à humanidade e ao planeta Terra. Contudo, Emerson ressalta que a obra não pretende despertar uma reflexão específica no leitor/ ouvinte: “Na verdade eu até fico curioso para saber que tipo de reflexão as pessoas vão ter, porque a novela gráfica é um apanhado de assuntos que me interessam, como a geopolítica”. O autor ainda conta ao Essência que a ideia central da novela gráfica era que a cidade fosse a personagem principal, mas também que por meio da história fosse possível pensar como as gerações do presente, do passado e do futuro transformam/transformarão a cidade.

*Integrante do programa de estágio do jornal O HOJE sob orientação da editora Flávia Popov


SERVIÇO

Lançamento: Cidade Buraco: Livro I e Hole City: Book I

Quando: quarta-feira (30) 

Onde: Livraria Palavrear (Rua 232, nº 338, Setor Universitário - Goiânia)

Horário: 19h

Abertura da exposição “Cidade Buraco”

Quando:  de 30 de maio a 18 de junho 

Entrada gratuita

 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar