14 de dezembro de 2017 - quinta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Mulheres
FOLIA
22/02/2017 | 06h00
Mulheres lançam marchinha e campanha contra assédio no Carnaval
O objetivo é combater o assédio durante a folia, enfrentando por inúmeras mulheres todos os anos

Mulheres que integram diversos blocos de rua do Carnaval de Belo Horizonte lançaram, ontem (20), a campanha Tira a Mão: é Hora de Dar um Basta. O objetivo é combater o assédio durante a folia. A ação serve de exemplo a todos do ‘País do Carnaval’, já que o problema é enfrentando por inúmeras mulheres, todos os anos, nessa época do ano.

Segundo texto de divulgação da campanha, uma pesquisa do ano passado feita pela organização internacional Action Aid mostrou que 86% das mulheres brasileiras ouvidas sofreram assédio em público em suas cidades. “O tom da campanha é leve e busca mostrar que a foliã está no Carnaval para se divertir, e que o limite entre o assédio e a paquera não está na roupa, na fantasia ou na dança. O limite está na vontade da mulher”, diz a campanha.

As organizadoras da campanha também explicam que a iniciativa é uma resposta a diversos comentários machistas que foram encontrados na internet depois que um jornal da capital mineira publicou reportagem sobre os blocos formados apenas por mulheres.

Foram lançados um vídeo nas redes sociais, banners e a Marchinho, da compositora Brisa Marques. Todo o material pode ser livremente reproduzido. O vídeo tem 35 segundos. Enquanto foliãs aparecem na tela, uma narradora diz: “Sou foliã, sou da rua e da cidade. Eu comando a bateria, sou batuqueira, me jogo no Carnaval. Mas isso não lhe dá nenhum direito. Portanto, não me toque sem o meu consentimento”.

Cerca de 30 blocos manifestaram apoio à campanha, além de entidades como o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais. As organizadoras pedem que o texto seja lido em desfiles dos blocos e que a marchinha seja tocada em algum momento. (Agência Brasil)

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)