Domingo, 15 de setembro de 2019
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

Mulheres

Mulheres compõem apenas 8% das vagas na área de tecnologia

Postado em: 07-08-2019 às 16h52
Apesar do baixo índice, é na internet que elas conseguem mais oportunidades. Relatório aponta que fim da desigualdade de gênero no mercado precisaria de dois séculos

Ingryd Bastos

Mesmo com o desemprego e necessidade de profissionais qualificados em alta, o mercado da tecnologia permanece com menos mulheres até os dias de hoje, mesmo com o aumento da presença delas em cursos de predominância masculina. 

De acordo com uma pesquisa feita esse ano pela plataforma de serviços freelance Workana, a atuação feminina na área de programação e tecnologia da informação (T.I) cadastrada é de apenas 8%, conta os 43% dos homens. Foram entrevistados um total de duas mil pessoas, de oito categorias de trabalhos diferentes, entre homens e mulheres.

Apesar do baixo índice de representatividade das mulheres na área tecnológica, a pesquisa contatou que elas sofrem menos com a desigualdade de gênero conseguindo mais oportunidades em trabalhos na internet como freelancer, em relação ao mercado tradicional. 

O resultado foi que 82% das mulheres entrevistadas explicaram que em uma negociação de trabalho pela internet alguns fatores como ter filhos não foram questionados e que o fato delas serem mulheres não foi um aspecto considerado na hora da contratação virtual. Por outro lado, 87% dessas mesmas mulheres disseram já terem sido questionadas sobre ter filhos em entrevistas presenciais, contra 68% dos homens. 

No quesito salário, as mulheres também estão bem atrás, na plataforma 16% dos homens que trabalham com tecnologia conseguem um rendimento mensal acima de R$ 4 mil, enquanto apenas 8% das mulheres conseguem esse valor.

Qualificação

Atualmente quase um quarto dos jovens está sem estudar e trabalhar, no Brasil, e cerca de 30% desse total são mulheres, de acordo com Índice Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Em contrapartida, apesar das mulheres serem minoria na atuação nas áreas tecnológicas, em geral, são elas as mais qualificadas. Enquanto 30% dos homens têm graduação na área, 11% pós-graduação e 4% MBA, as mulheres seguem 34% graduadas, 17% com pós-graduação e 5% tem MBA. 

A explicação para as mulheres continuarem com dificuldades em conseguir empregos na área, com salários igualados aos homens, mesmo sendo mais qualificadas está na desigualdade de gênero, segundo o Fórum Econômico Mundial (WEF). 

Ainda de acordo com a WEF, mulheres da área da TI possuem mais instrução que os homens e ainda assim ganham 34% a menos que eles. Já na área de inteligência artificial (IA), apenas 22% dos profissionais são mulheres e somente 20% das mulheres estão em cargos de diretoria nas empresas tecnológicas, no mundo.

O relatório emitido pelo Fórum Econômico Mundial aponta que para o fim da desigualdade de gênero acontecer no mercado de trabalho seria necessário mais de dois séculos.

 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar