Domingo, 25 de outubro de 2020
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

Mulheres

Denúncias de violência contra as mulheres crescem mais de 40% durante a quarentena

Postado em: 13-10-2020 às 17h25
Devido a dificuldade de a vítima efetuar a denúncia, vários códigos secretos foram instituídos. - Foto: Reprodução/ Internet

Ana Julia Borba

Com a chegada do novo Coronavírus no mundo, decretos de isolamento social para a diminuição da propagação do vírus se tornou a melhor alternativa. Porém, com mais mulheres e homens dentro de casa, o número de agressões cresceu significativamente e se tornou assustador.

Em comparação do mês abril de 2019 para o de 2020, o número de denúncias contra as mulheres no disque 180, aumentou 40%. Apesar do número, o aumento das denúncias escapa das estatísticas dos órgãos públicos, visto que com o afastamento das vítimas de suas famílias, a mesma se torna refém de seu agressor.

“A queda que houve nos boletins de ocorrência e processos no período de pandemia não corresponde à realidade das agressões”, alerta a promotora Valéria Scarance, coordenadora do Núcleo de Gênero do Ministério Público do Estado de São Paulo.

O aumento das denúncias não ocorre só no Brasil, mas no mundo todo também, a Organização Mundial da Saúde (OMS) tem recomendado medidas protetivas, com investimentos em denúncias online, serviços de emergência em farmácias, restaurantes, supermercados e afins.

Códigos secretos

Devido à dificuldade da vítima em denunciar, vários códigos secretos estão sendo realizados para que essa denúncia ocorra de forma silenciosa. “Sinal vermelho na mão”, a vítima pode fazer um desenho de um “X” na palma de sua mão feito com um batom vermelho e apresentar na farmácia ou por meio virtual.

Empresas também criaram formato para que as vítimas possam fazer denúncias através de canais de comunicação da empresa. A empresa varejista Magazine Luiza desenvolveu um post no Instagram, no qual atrai a mulher para esconder “manchas e marquinhas (de violência) ”, mas direciona a vítima a um botão para realizar a denúncia.

“A vantagem é que a mulher pode disfarçar que está fazendo compras, aperta o botão e a gente fica sabendo”, diz Luiza Helena Trajano, presidente do Conselho de Administração do Magazine Luiza e também do Mulheres do Brasil, grupo apartidário com 40 mil integrantes.

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar