19 de setembro de 2018 - quarta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Mundo
Dramas hermanos
18/12/2017 | 16h40
Argentinos protestam contra reforma da previdência
Palácio do Legislativo, local onde as votações acontecem, passou toda a manhã cercado

De fato, a Reforma da Previdência não é um dilema exclusivo do Brasil. Um grupo de manifestantes entrou em confronto com a polícia argentina nas imediações do Congresso Nacional, em Buenos Aires, a fim de protestar contra a sessão legislativa em que o governo pretendia aprovar as modificações.

O Palácio Legislativo da capital amanheceu completamente cercado. Com grande rejeição política e social, a situação chegou a níveis de tensão extrema, ao passo que dois agentes ficaram feridos. Manifestantes atiraram garrafas e pedras contra a polícia. 

De acordo com autoridades, os policiais mobilizados para ações do tipo não poderão usar armas de fogo para conter manifestações, de acordo com a lei. Balas de borracha deverão ser usadas somente em casos em que não haja certa distância e “consequências nocivas para os manifestantes". 

A partir de agora, quem está à frente do dispositivo de segurança é a Polícia de Buenos Aires, que diz respeito ao governo local. A decisão veio após uma série de controvérsias ocorridas depois de um enfrentamento entre gendarmes e manifestantes que ocasionou uma série de detenções e dezenas de feridos. 

Entre as alterações que a reforma pretende fazer está a modificação da fórmula para calcular os aumentos do montante econômico  relacionado às reformas que o governo permitirá aos aposentados receber mais no próximo ano. A oposição acusa a decisão de reduzir os ganhos dos setores mais vulneráveis. 

Nesta segunda-feira (18), a Confederação Geral do Trabalho (CGT), considerada a maior central operária da Argentina, convocou uma greve nacional de 24 horas como boicote ao projeto. 

 

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)