13 de dezembro de 2018 - quinta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Mundo
Protesto
26/12/2017 | 09h05
Ativista de topless tenta arrancar estátua de Jesus de berço no Vaticano
Ato foi contra a política da Santa Sé associada à proibição do aborto e da contracepção

Uma ativista do grupo feminista Femen, de topless (roupa que não cobre o corpo da cintura para cima), tentou arrancar a estátua do bebê Jesus do cenário de Natividade da Praça São Pedro, no Vaticano, ontem (25), mas foi impedida pela polícia enquanto agarrava a estátua. A mulher pulou sobre os trilhos de segurança e correu para o cenário de Natividade gritando "Deus é mulher". Ela tinha o mesmo slogan pintado em suas costas.

De acordo com o Femen, o ato foi pelo direito das mulheres ao próprio corpo. Em particular, o protesto foi contra a política da Santa Sé associada à proibição do aborto e da contracepção.

Para o Femen, a política do Vaticano é "um forte ataque medieval à liberdade das mulheres e aos seus direitos naturais", diz nota publicada na pagina do Femen, que acrescenta: "Uma criança não vem de um deus, mas de uma mulher".

Um policial do Vaticano impediu a mulher de roubar a estátua, e a ativista foi detida. O incidente ocorreu duas horas antes de o papa Francisco fazer a tradicional mensagem de Natal para cerca de 50 mil pessoas na praça.

O site do grupo Femen identificou a mulher como Alisa Vinogradova e a chamou de "sextrista". De acordo com o site, o objetivo do grupo, que foi fundado na Ucrânia, é "completar a vitória sobre o patriarcado". 

Fonte: Agência Brasil e Reuters. (Foto: Reuters/Alessandro Bianchi)

Tópicos:  Vaticano,   protesto,   Femen,   topless

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)