25 de fevereiro de 2018 - domingo

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Mundo
Facções armadas
13/02/2018 | 11h00
Membros do Estado Islâmico se entregam após confrontos na Síria
Cerca de 350 combatentes de EI, junto com 80 familiares, se entregaram aos grupos que participaram da batalha, batizada de "A derrota dos invasores", contra os jihadistas em Idlib

Mais de 300 membros do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) se entregaram nesta terça-feira (13) a facções armadas sírias contra as quais lutaram nos últimos dias na província de Idlib, no Noroeste do território sírio, informaram fontes opositoras e o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Cerca de 350 combatentes de EI, junto com 80 familiares, se entregaram aos grupos que participaram da batalha, batizada de "A derrota dos invasores", contra os jihadistas em Idlib, disse à Agência EFE por telefone um dirigente do rebelde Exército Livre Sírio (ELS) nessa zona, Abdel Muin al Masri.

"Durante a investigação que estamos praticando, descobrimos que a maioria trabalha para o regime de Bashar Al Assad. De fato, o regime, que controla o leste da província de Hama, abriu caminho para que chegassem às áreas liberadas (pelos rebeldes) do sudeste Idlib", afirmou.

Segundo Al Masri, os integrantes do EI decidiram depor as armas e se entregar aos adversários após os fortes enfrentamentos que ocorreram nesta semana na região.

Há quatro dias explodiram confrontos no sudeste de Idlib entre o EI e a Organização de Libertação do Levante – a aliança da ex-filial síria da Al Qaeda – e outros grupos, de acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Al Masri disse que foi o ELS que lutou contra o EI e afirmou que "80% das facções que defendem a revolução" pertencem a esta organização armada, sem querer dar mais detalhes.

O observatório confirmou que 400 membros do EI e seus parentes se renderam hoje aos grupos armados que operam no sul de Idlib.

Com informações da Agência Brasil. Foto: Reprodução

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)