19 de outubro de 2017 - quinta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Política
INVESTIGAÇÕES NA JBS
11/10/2017 | 06h00
MPF denuncia irmãos Batista
Segundo os procuradores Thaméa Danelon Valiengo e Thiago Lacerda Nobre, os irmãos lucraram R$ 100 milhões com a operação

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou os irmãos Joesley e Wesley Batista pelo crime de uso de informação privilegiada e manipulação do mercado financeiro pelas empresas JBS e FB Participações, de que são controladores.

Segundo o MPF, os empresários, dirigentes do grupo JBS, lucraram R$ 100 milhões com a compra de dólares poucos dias antes do vazamento do acordo de deleção premiada que fizeram com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Investigações da Polícia Federal, cujas conclusões foram entregues na segunda-feira (9) ao MPF, concluíram que a holding J&F, controladora do grupo, comprou US$ 1 bilhão às vésperas da data em que a delação premiada foi divulgada pela imprensa. Segundo os procuradores Thaméa Danelon Valiengo e Thiago Lacerda Nobre, os irmãos lucraram R$ 100 milhões com a operação.

Eles teriam também vendido R$ 327 milhões em ações da JBS enquanto seus executivos negociavam o acordo com a PGR. O MPF afirma que eles sabiam que a delação causaria a queda das ações da JBS e a alta do dólar e atuaram para reduzir o prejuízo da empresa.

O MPF aponta Wesley como responsável pela compra dos dólares, e ele está sujeito a pena de até 18 anos de prisão. Já Joesley teria articulado a manipulação do mercado e pode pegar pena de 13 anos. 


Informações Agência Brasil. (Foto:Reprodução)

Tópicos:  JBS,   Batista,   MPF

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)