17 de outubro de 2018 - quarta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Política
Reunião
11/07/2018 | 06h00
Governador discute projeto com Temer em Brasília
José Eliton se reuniu com presidente Michel Temer para articular aprovação de projeto de Lei que permite aos Estados negociar dívida ativa

Lucas de Godoi * 


O governador José Eliton foi à Brasília nesta terça-feira tratar com o presidente Michel Temer sobre programa de securitização das dívidas do Estado. Na reunião, no Palácio do Planalto, o governador discutiu sobre o projeto de Lei aprovado no Senado, que permite a União, estados e municípios negociarem direitos de crédito ao setor privado. Em pauta também estavam o andamento de obras e programas da União em execução em Goiás.

Este é o segundo encontro de Eliton para tratar sobre o tema. Antes, em abril deste ano, tinha se reunido com governadores dos Estados e do Distrito Federal para articular com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM) a votação do projeto. “É um avanço importante na consolidação do processo de desenvolvimento de Goiás e dos demais Estados”, afirmou, na época.

Ele também reforçou que “a securitização dos créditos tributários é importante não só para Goiás, mas para todos os outros Estados, muitos deles representados hoje nesta reunião”. De acordo com Eliton, a medida “vai propiciar as bases de um ciclo importante para os Estados e para as questões de natureza previdenciária que possam ser impactadas pelos dividendos que o Estado tem”.

Em Goiás, de acordo com o governador, existe cerca de R$ R$ 8 bilhões em créditos tributários aptos a serem comercializados. Segundo a Agência Senado, a chamada "securitização" permite que os créditos a receber sejam cedidos a instituições financeiras, como bancos, que compram esses créditos com desconto do valor a receber. A vantagem para os cofres públicos seria que o dinheiro a receber chegaria mais rápido aos estados, evitando o risco de inadimplência.

Nos últimos dois anos, o Estado de Goiás foi protagonista na discussão, junto ao governo federal, sobre a securitização. O ex-governador Marconi Perillo foi uma das lideranças destacadas dos governadores e esteve em Brasília inúmeras vezes discutindo a questão. Foi voz ativa dos Estados que compõem o Consórcio Brasil Central no processo. Já em 2016, o ex-governador citava que a equipe econômica do governo federal estava elaborando um documento com as demandas dos governadores. Dentre elas, estava a securitização da dívida ativa.


Obras

Entre as obras realizadas em parceria entre os governos do Estado e da União estão os investimentos na expansão dos sistemas de abastecimento de água e de coleta de esgoto em Goiânia, Aparecida de Goiânia e Anápolis, executadas em conjunto entre Saneago e Ministério das Cidades. Além do Minha Casa Minha Vida, a União também participa dos investimentos na construção de moradias populares, em parceria com o Cheque Moradia. Entre os investimentos realizados no Estado, José Eliton agradeceu ao presidente pela participação, no valor de R$ 98 milhões, nas conclusão das obras da Estação de Tratamento de Esgoto de Goiânia, a ETE Hélio Seixo de Brito.


Projeto

Em 2017 o projeto de Lei Complementar do Senado (PLS) 204/2016 foi aprovado pelo Plenário do Senado. O resultado foi de 43 votos a favor, 18 contrários e duas abstenções. Agora a matéria precisa ser votada na Câmara dos Deputados.

O PLS impõe condições para a securitização: autorização do Poder Legislativo respectivo (federal, estadual ou municipal); não modificação da natureza do crédito e das condições de pagamento; não transferência da competência para a cobrança dos créditos; cessão definitiva dos direitos; e parcelamento dos créditos.

O relator na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) foi o senador Romero Jucá (PMDB-RR). Ele acolheu sugestão do senador Aécio Neves (PSDB), que impede a aquisição dos direitos creditórios por instituições financeiras públicas, para evitar “influências políticas”. (* Especial para O Hoje)  

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)