23 de janeiro de 2019 - quarta-feira

Euro R$ {{cotacao.EUR.valor | number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Política
Rubens Salomão
11-01-2019 | 06h00
José Eliton deverá responder na Justiça por “pedaladas fiscais"
"Quem vai dizer se houve ou não será a Justiça e o estado vai entrar com as providências cabíveis", disse a secretária Cristiane Schmidt

A atual administração do governo estadual não pretende passar um pano na atual situação fiscal e financeira do estado e garante buscar, na Justiça, a responsabilização de gestores que teriam cometido crimes contra o patrimônio público dos goianos. A definição é do governador Ronaldo Caiado (DEM) e da secretária de Economia, Cristiane Schmidt, que confirma a avaliação de que o ex-gestor, José Eliton (PSDB), praticou “pedalada fiscal”, como destacado em reportagem do O Hoje, ao não realizar o pagamento da folha dos servidores em dezembro e as constantes maquiagens nas contas, como no cálculo da dívida consolidada e da proporção entre gastos com funcionalismo em relação à receita corrente líquida. Depois da nota apresentada pelo tucano, em que Eliton nega ter pedalado, Cristiane reforça: “quem vai dizer se houve ou não será a Justiça e o estado vai entrar com as providências cabíveis. Ele que se justifique depois perante à Justiça. Sou apenas uma economista e tenho os meus diagnósticos em relação à Lei de Responsabilidade Fiscal”.

Impeachment

A secretária confirma o diagnóstico de que atos do ex-governador representam crime de responsabilidade e compara a situação com o processo que levou à cassação da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) pelo Congresso Nacional, em 2016.

Papo reto

“Essa ação que ele fez foi a mesma que a Dilma fez e ela sofreu o impeachment. Se a justiça entendeu assim com aquela pedalada, não sei como se posicionará agora. Não sou eu quem vai dizer isso. É a justiça”, define Cristiane.

Bolsonaro fechará Valec

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) deve fechar as portas de duas estatais ainda no primeiro trimestre do ano. Uma delas é a Valec, que cuida de ferrovias e teve ex-diretores envolvidos em desvios de recursos em obras. A outra é a Ceitec, que produzi chips para monitoramento de gado e medicamentos. As duas empresas são dependentes do Tesouro Nacional, ou seja, não geram receitas suficientes para pagar suas despesas de pessoal e custeio. Todos os 1.177 empregados serão demitidos, e os ativos das empresas serão vendidos para pagar dívidas. A liquidação deve ser aprovada pelo conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), colegiado formado por ministérios e bancos públicos, além da Presidência da República. A reunião que deve sacramentar a decisão será realizada em fevereiro. A Valec foi presidida pelo empresário Juquinha das Neves, que foi preso pela PF e voltou a ser denunciado pelo MPF, em 2018, junto com dois ex-diretores da empresa, por fraudes e corrupção na realização de obras da Ferrovia Norte-Sul.

CURTAS

Fora! – Embora tenham entrado por concurso público, os empregados das empresas públicas serão demitidos. Não há interesse privado em comprar as companhias.

Transferência – A intenção do governo é privatizar as ferrovias. Parte das funções da Valec poderia ser assumida pelo DNIT.

Serviço – A Justiça Eleitoral em Goiás volta a atender em horário normal a partir do dia 21. Até lá, cartórios eleitorais funcionam de segunda à sexta das 13h às 18h.

Nas redes

O segundo colocado na eleição de 2018, deputado federal Daniel Vilela (MDB), voltou a usar as redes sociais para criticar o início da gestão de Ronaldo Caiado. “Se não der conta é só avisar, viu?”, sugeriu em vídeo.

Tempo passa

“Já se passaram 10 dias de governo e mais de 3 meses da eleição - período de transição para que o eleito tomasse pé da gestão - e até agora nada do governador apontar soluções. Só a mesma ladainha do período eleitoral”, disse Daniel.

Derrotados abraçados

Caiado, por sua vez, continuará sem responder às críticas de Daniel, assim como fez em relação às notas de Marconi Perillo e José Eliton. Depois de 20 anos em lados opostos, MDB e PSDB agora estão na mesma trincheira. E isolados.

Lei cumprida

O prefeito Iris Rezende confirmou reajuste de 4,17% no salário dos professores da rede municipal. O valor é calculado em adequação ao piso salarial deste ano e contempla o salário-base, gratificação de regência e auxílio locomoção.

Atendimento

A medida atende os cerca de 10 mil docentes da rede municipal. O índice será pago na folha referente ao mês de janeiro e antecipa definição nacional para correção do salário da categoria. O estado ainda não tem previsão para a adequação.

Legislação

O deputado João Campos (PRB) recebeu sugestão do MP e apresentou projeto para criar o Banco Nacional de Mandados de Busca e Apreensão de Adolescentes.

 
(62) 3095-7800