Política

Avança acordo entre Estado e Prefeitura sobre crise no transporte

Postado em: 23-01-2021 às 08h00
Caiado pede o compartilhamento da responsabilidade entre os municípios sobre o transporte público da região metropolitano | Foto: Divulgação

Samuel Straioto

O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM) recebeu na tarde desta sexta-feira (22), no Palácio das Esmeraldas, o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos). Os dois trataram da crise do Transporte Coletivo na capital e nas cidades vizinhas. Ficou acertado que a parte técnica do Estado e da Prefeitura terão nova reunião para construir um novo modelo, a partir do Plano Emergencial do Transporte. O Estado já banca em torno de 17%. Caiado pediu que todos os municípios compartilhem responsabilidades. A reunião teve a participação de vários secretários estaduais e municipais.

“O estado de Goiás já cumpre a sua parte determinada pelo Poder Judiciário. Já depositamos os 17% que é obrigação do governo de Goiás. Nós, para salvarmos as empresas, antecipamos uma compra de bilhetagem para que elas tivessem condição de rodar e agora o que esperamos é que os demais municípios assumam essa responsabilidade de compartilhar”, destacou o governador.  O plano citado já foi homologado parcialmente no processo judicial promovido pelo Ministério Público de Goiás visando assegurar a manutenção da prestação do serviço de transporte público. O prazo para adesão termina no próximo dia 5.

No final de 2020, as empresas operadoras do sistema chegaram a paralisar atividades. A alegação é de agravamento da crise financeira, com a redução de passageiros transportados durante a pandemia da Covid-19. O prejuízo acumulado das concessionárias chegava a R$ 75 milhões, devido à queda de demanda no sistema. Uma das soluções apresentadas pelo Sindicato das Empresas de Transporte (SET), era a adesão das prefeituras ao plano emergencial que foi proposto pelo Estado. 

O secretário geral da Governadoria, Adriano da Rocha Lima destacou que já há uma reunião marcada para a próxima segunda-feira, para avançar na discussão. “O Estado tem um plano que foi apresentado no ano passado, o Estado já contribui com a ajuda emergencial com 17,6% e agora Goiânia se propôs a aderir ao plano de forma a agilizar o processo, eles vão fazer reuniões agendada para a próxima segunda-feira, provavelmente serão necessárias mais duas ou três reuniões e os municípios entrar no plano emergencial”, disse o secretário. De acordo com Adriano Rocha Lima, o governo e a prefeitura da capital estão analisando para saber se os municípios menores terão condições e a partir daí fazer a proposta que seja viável para todos.

O governador disse que o Estado tem dado a contribuição dele nessa crise do transporte. “O estado de Goiás já cumpre a sua parte determinada pelo Poder Judiciário. Já depositamos os 17% que é obrigação do governo de Goiás. Nós para salvarmos as empresas, antecipamos uma compra de bilhetagem para que elas tivessem condição de rodar”, destacou. O prefeito Rogério Cruz saiu satisfeito do encontro. “Tivemos esse primeiro encontro oficial com o governador do Ronaldo Caiado para o início do assunto que vamos tratar. Este foi sobre o transporte público, conseguimos marcar para a próxima semana a primeira reunião entre os técnicos da prefeitura de Goiânia e os técnicos do governo estadual, justamente para encontrarmos o caminho inicial para trazermos soluções em conjunto com o governo, com a prefeitura de Goiânia, com as demais prefeituras que querem participar”, afirmou o prefeito.

Uma das alternativas é a mudança do modelo de cobrança, passando a ser por distância percorrida e não por tarifa única, como é hoje. Rogério Cruz disse que não há nada decidido sobre o assunto. “Esse é um desejo que nós temos para trazer a solução, não que seja o modelo. Esse modelo começará a ser discutido com a participação da Prefeitura, do Governo do Estado, do Ministério Público, e os prefeitos da Região Metropolitana. O desejo é que todos estejam dentro do processo. 

O prefeito relatou que dialogou com as concessionárias de transporte para que não promovam reajuste tarifário. “Sim. Mantenho a decisão de não reajuste da tarifa neste ano. A população não pode pagar por um preço injusto. Como vereador por várias vezes participei dessa discussão e não é justo que a população pague por um preço injusto, tudo isso cai no bolso, é isso que não quero”, afirmou. O último reajuste tarifário aprovado em Goiânia se deu em abril de 2019, elevando o valor da passagem de R$ 4 para R$ 4,30.

Longo prazo

O governador Ronaldo Caiado (DEM) recebeu na tarde desta sexta-feira (22), o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos). Em pauta o transporte coletivo da capital e das demais cidades. Avançou a proposta para que Goiânia possa aderir ao Plano Emergencial proposto pelo governo do estado. Caiado destacou à Sagres que a pauta do transporte precisa avançar. “Não dá mais para ficar como remendo em cima de um tecido roto como esse que se alonga dezena de anos e não se tem nenhuma alteração substantiva, apenas um remendo aqui, um remendo acolá e essa discussão está sempre na pauta do goianiense, como também de todos que usam o transporte urbano na região”, afirmou Caiado. (Especial Para O Hoje)

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar