Coluna

Baldy demite servidora que se hospedou em hotel de luxo

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 24 de novembro de 2018

O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, presidente regional do PP, confirmou a demissão da coordenadora de Infraestrutura de Trânsito (CGIT) do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Marina Araújo. Ela e outros servidores do órgão ficaram hospedados em um hotel de luxo no litoral de São Paulo e tiveram suas despesas pagas pela Scania. A montadora, assim como outras, necessita de certificados emitidos pela CGIT. A informação foi revelada pela Revista Época. O Código de Ética Profissional do Servidor Público proíbe o recebimento de vantagens de empresa sujeita à jurisdição regulatória do órgão a que pertence. A prática teve péssima repercussão nacional, mesmo em meio a tantos envolvidos em irregularidades, investigados e até réus em processos por corrupção no governo de Michel Temer (MDB). Segundo a assessoria de imprensa do Ministério das Cidades, pasta responsável pelo Denatran, “todas as medidas cabíveis a todos os que participaram do evento foram tomadas”, mas que nem todas têm efeito imediato.  

Investimentos finais

Já em Goiás, Baldy anuncia na segunda-feira (26), em Luziânia, investimentos de R$ 73,6 milhões para três etapas finais para obras de saneamento integrado e urbanização de parques na cidade. 

Estrutura

Com investimentos de R$ 59 milhões, a 1ª Etapa é a parte de execução das obras do Sistema de Esgotamento Sanitário da Região Jardim Ingá I e execução da Estação de Tratamento de Esgoto Palmital. 

Vexame político e eleitoral 

A viagem do senador e governador eleito, Ronaldo Caiado (DEM), para Londres, onde fará curso sobre gestão, tem como consequência prática o fim do processo de transição em que o atual governo e base do PSDB, comandados por José Eliton (PSDB), ainda viviam os últimos suspiros de protagonismo no cenário político estadual. De agora em diante, o foco estará exclusivamente nas decisões tomadas pelo próximo gestor e a equipe dele, que será anunciada já na primeira quinzena de dezembro. O fim da hegemonia tucana, além de colocar em xeque o discurso baseado no legado dos 20 anos, também é marcado por uma melancólica atuação de liderança política: tanto pela falta de agentes articuladores nos quadros da gestão, quanto pela postura desagregadora e desgastada do líder da base na Assembleia Legislativa, Francisco Oliveira (PSDB), que não se reelegeu. Chiquinho, em quase dois anos à frente do grupo aliado, acumulou arestas com os colegas por conta, entre outros fatores, dos jabutis incluídos para benefício individual, sem articulação coletiva. 

Curtas

Meio ambiente  – O governo Temer chega ao fim com aumento expressivo nos índices de desmatamento da Amazônia. São os priores números dos últimos dez anos. 

Degradação – Dados do próprio governo apontam uma expansão de 13,7% no desmate da região, só de entre agosto de 2017 e julho de 2018.

Registro – Segue até o dia 21 de dezembro a ‘Exposição Memorial Confaloni – vida e obra’, do Frei Nazareno Confaloni, na Estação Ferroviária de Goiânia. 

Debate intenso

Depois do susto com a proposta do senado Ronaldo Caiado (DEM) – de cortar R$ 1 bilhão dos atuais incentivos fiscais, empresários, principalmente ligados à Adial, passaram a intensificar conversas com deputados sobre o projeto de convalidação.

Agenda 

Desde a conversa na casa do senador Wilder Morais (DEM), o relator do texto na Assembleia Legislativa, Lívio Luciano (Podemos), e outros parlamentares realizaram ao menos três reuniões com o setor produtivo, sem contar os constantes telefonemas.

Do cargo 

Ao menos dois ex-secretários da Fazenda se manifestam favoráveis aos cortes nos incentivos. Sabem que este é um dos caminhos para a real saúde financeira do estado. A primeira foi Ana Carla Abrão, que enfrentou o debate ainda quando estava no cargo.

Critérios

Já Fernando Navarrete aponta que os cortes propostos não reduzem a competitividade. “O trabalho de técnicos da Sefaz foi bastante criterioso. Os excessos são notórios. Resta acompanhar o que ocorrerá na Alego”, tuitou.

A definir

Com acordos adiantados sobre escalonamento e prazos para cumprimento, deputados estaduais voltam a debater a PEC sobre emendas impositivas em reunião na segunda-feira (26). Começarão a debater os valores.

Sem chance

O ministro do STJ, Felix Fischer, que conduz os processos da Lava Jato na Corte, rejeitou recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ele tentava reverter a condenação a 12 anos e 1 mês de prisão no caso do triplex. 

Compartilhe: