Coluna

Base governista trabalha para contornar crise interna

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 15 de junho de 2020

“Peço paciência a todos e que confiem no governo”, clamou o
líder da base do governador Ronaldo Caiado (DEM) na Assembleia Legislativa,
Bruno Peixoto (MDB), em discurso durante a última sessão ordinária remota da
Casa. A súplica é justificada pela crise interna gerada entre governistas pelos
recentes rebuliços envolvendo acusações contra secretário de Segurança Pública,
Rodney Miranda, e contra o então presidente da Codego, Marcos Cabral. Ambas
tratam de suspeitas de corrupção e ingerência política. “São questões
preocupantes e é óbvio que não deixam de gerar crise dentro do governo,
principalmente na Assembleia Legislativa, onde há embates de ideias
divergentes. Precisamos avaliar os fatos e não podemos deixar criar crises se
não houver motivo essencial para isso”, admite o presidente da Alego, Lissauer
Vieira (PSB), considerado principal articulador caiadista na Casa.

Tempo ao tempo

Deputados aliados expressam nos bastidores preocupação com
as acusações, principalmente sobre suposto grampo da SSP a outros auxiliares do
governo. Por enquanto, atendem pedido de não assinar requerimento de CPI.

Até quando?

O líder Bruno Peixoto pediu prazo até o fim das férias
tiradas por Rodney Miranda, de 15 dias, enquanto as investigações da Polícia
Civil e Ministério Público avançam. O prazo termina na próxima quarta-feira
(24).

Panos quentes

“Aí traremos o delegado e o promotor, para sabermos mais
sobre a apuração. E convidaremos o secretário, mas é preciso agora ter união de
todos”, pediu o líder.

Demanda social

O novo presidente da Agehab, Lucas Fernandes, considera que
o governo federal reduziu a praticamente zero a “faixa um” do programa Minha
Casa Minha Vida e que o estado, sozinho, deve entregar novas 2 mil casas a
famílias carentes.

Na espera

Entre diferentes faixas de públicos, o déficit habitacional
em Goiás é de cerca de 150 mil famílias. “Estamos aguardando a manifestação do
governo federal para um novo programa que atenda essa população de menor poder
aquisitivo”, diz Lucas.

Balanço federal

Boletim da Secretaria de Governo do governo Bolsonaro aponta
entrega em Goiás de 1,053 milhão de máscaras cirúrgicas, 87 mil máscaras do
tipo N95, além de outros EPI. Foram 25 respiradores e putros 110 devem ser
entregues nesta semana.

Valores

Somando auxílio emergencial e outros repasses, Goiânia
receberá R$ 133,9 milhões, de acordo com a Segov. Seguida por Aparecida de
Goiânia (R$ 44,5 milhões), Anápolis (R$ 34,5 milhões) e Rio Verde (R$ 17,9
milhõe).

Saldo positivo

A produção industrial goiana foi exceção e definiu superávit
da balança comercial. Segundo IBGE, a produção nacional caiu 18,8% e Goiás tem
alta de 2,3% em abril.

CURTAS

– O Ministério Público Federal investiga contrato de gestão
do Hospital de Campanha de Goiânia, entre o governo e a organização social
‘Agir’.

– O acordo prevê pagamento total de R$ 57,7 milhões e
possíveis irregularidades serão apuradas.

– Depois das manifestações de ontem, o governo do DF decidiu
fechar a Esplanada dos Ministérios aos domingos.

 

Compartilhe: