Coluna

Bolsonarista, deputado Vitor Hugo rechaça golpe sanitário

Publicado por: Venceslau Pimentel | Postado em: 31 de março de 2021

Venceslau Pimentel 

Na véspera do 57º aniversário do golpe militar de 1964, que derrubou
João Goulart da Presidência da República, dando início à ditadura que perdurou
até 1985, o País se vê às voltas com a queda dos três ministros das Forças
Armadas, o que coloca em xeque os próximos passos do presidente Jair Bolsonaro.
Ao mesmo tempo, o deputado federal por Goiás, Vitor Hugo (PSL), coloca em
discussão um projeto de lei de sua autoria que trata da decretação de
mobilização nacional em caso de pandemia. O parlamentar bolsonarista rebate
interpretações de que se trata de uma espécie de golpe sanitário, para dar
poder absoluto ao presidente Jair Bolsonaro na condução das ações de combate à
pandemia da Covid-19, tirando a autonomia de prefeitos e governadores. 

Emergencial

O projeto de Vitor Hugo altera a lei que dispõe sobre a Mobilização
Nacional e cria o Sistema Nacional de Mobilização, para incluir a saúde pública
como processo de mobilização nacional, em caso de emergência em decorrência de
pandemia, como a atual crise sanitária. 

Liminar

A Advocacia-Geral da União pode derrubar a defesa que o presidente da
Fieg, Sandro Mabel, fez ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, de que
vacinas compradas pela iniciativa privada sejam destinadas aos colaboradores
ligadas à entidade. Para a AGU, parte dos imunizantes deve ser destinada ao
SUS. 

Para o SUS 

Na contramão de Mabel, o senador Vanderlan Cardoso (PSD) tem projeto em
tramitação prevendo o repasse de 50% das vacinas que forem compradas pela
iniciativa privada.

Legitimidade

O secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, repercutiu decisão
judicial em que foi indeferida ação do Ministério Público de Goiás, que
questionava o fato de o governador Ronaldo Caiado ter incluído profissionais
das forças de segurança integrantes dos grupos prioritários na vacinação contra
a Covid-19. 

Apoio

Em meio à repercussão da indicação da deputada Flávia Arruda, para a
Secretaria de Governo de Jair Bolsonaro, o parlamentar goiano Célio Silveira
(PSDB) hipoteca apoio à colega de Parlamento, que é esposa do ex-governador
José Roberto Arruda, que é ficha suja. 

É de Goiás

Com a assunção do goianiense Carlos Alberto Franco França ao posto de
ministro das Relações Exteriores, Goiás passa a ganhar evidência na Esplanada
dos Ministérios, em Brasília. 

Reajuste, não

Cogitado para disputar a prefeitura de Inhumas, nas eleições municipais
de 2020, o deputado Delegado Humberto Teófilo (PSL) critica a decisão da Câmara
de Vereadores que aprovou reajuste em seus salários, de 5,19%. 

Favorecimento

A medida, de iniciativa do prefeito João Antônio Ferreira (PSD), também
contempla o salário dele e de servidores públicos municipais. Lei federal
proíbe aumento salarial até 31 de dezembro de 2021. 

CURTAS 

A proposta de emenda à Constituição, para a
extinção do Tribunal de Contas dos Municípios, ainda em gestação, será o foco
das sessões da Assembleia Legislativa, na próxima semana.  

Compartilhe: