Coluna

Candidatos a vice na oposição lutam contra discurso governista

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 20 de agosto de 2018

Os candidatos a vice-governador nas duas principais chapas
da oposição em Goiás são recém saídos da base governista, mas, diferente da
postura do deputado estadual Lincoln Tejota (PROS), vice de Ronaldo Caiado
(DEM), o deputado federal Heuler Cruvinel (PP) mostrou agilidade depois da
adesão ao projeto encabeçado por Daniel Vilela (MDB) para virar a chave e
passar a efetivamente criticar a gestão tucana no estado. 

Até bem pouco tempo,
coisa de dois meses, Heuler fazia parte da base do governador e candidato à
reeleição, José Eliton (PSDB), e apontava que a continuidade seria a melhor
opção no pleito de outubro.

O discurso, no entanto, mudou. “Observamos que o
estado de Goiás passou por um processo de paralisia. Nós vamos focar e investir
para retomar o desenvolvimento na área da saúde, bom serviço na educação e
também retomar o crescimento de Goiás com o apoio de infraestrutura”, promete o
deputado federal, que tem forte atuação junto ao setor produtivo ligado ao
agronegócio na Região Sudoeste do estado, com base em Rio Verde.

Primeiro lá

Nas agendas com carreatas e eventos de campanha dos
candidatos ao governo de Goiás no pleito deste ano, a frente de Daniel Vilela
(MDB) foi a primeira a focar na Região Sudoeste, nos primeiros dias do trabalho
de rua.

Contra máquinas

O grupo vilelista enfrenta a força de Ronaldo Caiado junto
ao setor ruralista, que tem o prefeito de Rio Verde, Paulo do Vale (ex-MDB), e
a máquina do governo estadual, que historicamente investe na região.

Ciro paz e amor

Com dificuldades de crescer nas pesquisas eleitorais, o
candidato do PDT à presidência, Ciro Gomes, adotou novo perfil para tentar
avançar sobre os eleitores indecisos. Diante da crítica de adversários de que
tem fama de explosivo, o que foi apontado como um fator de insegurança em
pesquisa, ele decidiu abandonar o que é chamado pela equipe de campanha de uma
postura “belicosa” e adotar uma “moderada”. É a versão ‘paz e amor’ do
candidato, depois de orientações do marketing. “O que podemos dizer é que ele
entrou agora numa fase de Ciro Soft”, resumiu o presidente do PDT, Carlos Lupi.
Inicialmente, a proposta era de que ele não abrisse mão do jeito duro. Em
entrevista à Folha de S.Paulo, em junho, o então coordenador político da
campanha eleitoral, Cid Gomes, disse que o perfil “franco, sincero e que fala o
que pensa é cada vez mais desejado pelo povo”. No entanto, pesquisa qualitativa
revelou uma certa resistência dos eleitores com o temperamento do candidato e
uma preferência por um perfil mais tranquilo e bem-humorado.

CURTAS

Docinho – Ciro
então tem feito menos ataques e se descrito como uma “seda” e um “doce de coco”.
Tem sorrido mais e reage com mais calma a críticas.

Arte – O
Instituto de Educação em Artes Gustav Ritter está com inscrições abertas para
testes de nível para o segundo semestre de 2018 na área de Música.

Acesso – Os
interessados se inscrevem gratuitamente até dia 28. O candidato aprovado paga
R$ 55 referentes ao crachá e matrícula, mas não há mensalidade.

Ranking nacional

Goiás ficou em 11º lugar no ranking elaborado pela Folha de
S. Paulo e pelo Datafolha que avalia os Estados pela relação entre uso de
recursos financeiros e entrega de melhores resultados em saúde, educação,
infraestrutura e segurança.

Nota

Em uma escala que vai de 0 a 1, Goiás obteve pontuação 0,445
e foi considerado de “alguma eficiência”. São consideradas 17 variáveis em seis
componentes para calcular a eficiência na gestão dos estados e detalha a
situação das finanças de cada um deles.

Olho internacional

Observadores da Organização dos Estados Americanos
(OEA) estarão no Brasil até sexta-feira (24) para série de reuniões que definirão
os trabalhos no período de 7 a 28 de outubro, quando ocorrem o primeiro e o
segundo turnos.

À comemoração

Pode parecer precipitada, mas houve comemoração nas redes do
vereador Jorge Kajuru (PRP) com o resultado da pesquisa do instituto Ibope, que
o aponta em empate técnico com Marconi Perillo (PSDB) e Lúcia Vânia (PSB), na
corrida pelo Senado.

Crescimento

A comparação desta pesquisa da TV Anhanguera com a anterior
do Ibope, contratada pela Adial, mostra que apenas Kaujuru cresceu: saiu de 15%
para 26%. O vereador disse que recebeu os números “com muita humildade”.

Tem base?

Sem dar entrevistas, apresentar plano de governo à Justiça
Eleitoral ou realizar qualquer atividade de campanha, o Ibope aponta Alda Lúcia
(PCO) com 3% das intenções de voto. Empate com Weslei Garcia (Psol) e Marcelo
Lira (PCB).

 

Compartilhe: