Coluna

Deputado do PT lamenta atraso em decisão que ‘absolveu’ Lula

Publicado por: Venceslau Pimentel | Postado em: 11 de março de 2021

Venceslau Pimentel

Atento à entrevista que Lula concedeu ontem, com
críticas contundentes ao presidente Jair Bolsonaro, pela falta de coordenação
nacional no combate à pandemia do coronavírus, o deputado Antônio Gomide (PT)
disse à coluna que se a decisão do STF, que anulou as ações penais contra o
ex-presidente, tivesse ocorrido em 2018, com certeza o Brasil não estaria nesta
situação caótica de hoje. “O nome de Lula é viável, a população tem saudade do
seu estilo de governo. Lula tem a capacidade de unir a Nação, pois sabe construir
consensos que beneficiem tanto o trabalhador, quanto o dono da fábrica”,
sustenta Gomide. 

Disputa

No confronto com Bolsonaro, em 2022, o parlamentar
petista entende que Lula tem as qualificações para costurar as alianças
necessárias “e derrotar este projeto desastroso para o país”, representado pelo
presidente. 

Vigilância

Indignado com as cenas de aglomeração pelo Estado,
o governador Ronaldo Caiado (DEM) classificou como vergonha o flagrante contra
uma casa de shows em Goiânia, que se preparava para gravar DVD de dupla
sertaneja. A boate foi fechada em ação da Amma, Guarda Civil e Polícia
Militar. 

Distanciamento 

Em analogia às regras recomendadas pelos organismos
de saúde, de evitar aglomerações, o Patriota, por assim dizer, age da mesma forma,
após a filiação do ex-prefeito de Trindade, Jânio Darrot. Quer manter distância
do PSDB nas eleições de 2022. 

Reabertura 

Se depender do vereador Isaías Ribeiro
(Republicanos), feiras livres poderão ser consideradas como atividade
essencial. Ele justifica que feirantes têm se queixado de prejuízos econômicos.
Ofício foi enviado ao Paço Municipal. 

Pode ser 

Com o pé fora da Secretaria de Desenvolvimento
Social, a ex-senadora Lúcia Vânia tem confidenciado a interlocutores que até
pode disputa cadeira na Câmara dos Deputados, em 2022. Mas com uma condição: se
estiver com a saúde em dia. 

Agora não 

Não avançou, na Câmara, a proposta que
possibilitava que estados e municípios concederem reajuste salarial para
servidores públicos, caso as despesas não chegassem a 95% da receita corrente.
Goiás está fora desse limite, que já atingiu Minas, Rio Grande do Sul e Rio
Grande do Norte. 

Autonomia

Quem está acompanhando a primeira etapa da votação
na Câmara, que reverteu decisão do Senado, que garante a preservação de
recursos para a manutenção e custeio das administrações tributárias é a
Fenafiscos. Presidente do Sindifisco, Paulo Sergio diz que isso
garanta a autonomia da receita estadual de Goiás. 

CURTAS 

O TCE quer acompanhar de perto os
serviços prestados pelos hospitais de campanha, como forma de otimizar o
atendimento. 

Compartilhe: