Coluna

Deputado estadual Virmondes Cruvinel aponta gestão “desconectada dos bairros”

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 21 de janeiro de 2020

O deputado estadual e pré-candidato à prefeitura de Goiânia,
Virmondes Cruvinel (Cidadania) inicia processo de estruturação da campanha e
pretende ter chapa proporcional adiantada até o fim de abril, depois da janela
partidária e bem antes do prazo final de convenções – 5 de agosto. O
parlamentar aponta que a gestão de Iris Rezende na capital é “atrasada” e,
principalmente, desconectada das demandas dos mais pobres da cidade. “É preciso
ter atuação mais próxima dos bairros e não ir apenas aos fins de semana pra
voltar depois só na próxima edição do mutirão. Além disso, não se pode
inaugurar obra apenas no período eleitoreiro. As ações da prefeitura, conectadas
com a modernidade, dizem respeito a ações, serviços e entregas de benefícios
durante os quatro anos de mandato. As pessoas estão cansadas desse tipo de
política”, critica o ex-vereador.

Independência

Virmondes Cruvinel admite ter relação próxima com o senador
Vanderlan Cardoso (PP), mas garante que a pré-candidatura do Cidadania a
prefeito atende a determinação do presidente nacional, Roberto Freire.

À luta

Ou seja, Virmondes, ao que tudo indica, será candidato mesmo
se for contra Vanderlan. “Nosso partido não tem qualquer dependência em relação
ao projeto de quem quer que seja. Temos o nosso projeto”.

Nem se for

Além disso, o deputado aponta que, pela última conversa que
teve com o senador, entende que ele não será candidato. A conferir.

Parceria

O governador Ronaldo Caiado (DEM) comemorou ontem nas redes
sociais o cumprimento de emenda do líder do governo de Jair Bolsonaro na Câmara
Federal, deputado Vitor Hugo, destinada a Goiás.

Saúde

“A conquista mais recente foi a de R$ 1,5 milhão destinado a
construção de 10 leitos de UTI pediátrica no CRER. Muito obrigado pela emenda,
deputado e líder do governo”, escreveu o governador.

Propina

O presidente da Câmara de Jaupaci, Luiz Carlos
Gonçalves, foi preso na operação Contrapartida, do Ministério Público Estadual.
A investigação durou oito meses e apura corrupção passiva e lavagem de dinheiro
na gestão.

Pedido aceito

O vereador era investigado por solicitar a devolução de
dinheiro relativo a um serviço contratado pela administração pública. Depois
que a verba retornou à Câmara Municipal, Luiz Carlos teria se apropriado do
valor.

Fez água

Apesar de muito discurso no governo, a auditoria interna no
BNDES não encontrou qualquer irregularidade suspeita de “caixa preta”. A
apuração custou R$ 48 milhões.

CURTAS

– Após dois anos e com presença até em evento do MDB, o
ex-deputado Júlio da Retífica voltou ao PSDB.

– Liderança da região norte deixou o ninho em busca de novos
ares no PTB para a reeleição. Sem sucesso.

– Já Romário Policarpo (Patriota) nega filiação
ao DEM. Seria estratégia para ocupar possível vice de Iris. 

Compartilhe: