Coluna

Distância política entre Caiado e Bolsonaro persiste

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 25 de maio de 2020

Deputados federais da bancada goiana, que foram convocados
por Ronaldo Caiado (DEM) para ajudar na busca por ajuda em Brasília a Goiás,
principalmente para o combate à pandemia de coronavírus, buscam cumprir a
missão, mas avaliam que o auxílio se deve à manutenção do desquite entre o
governador e o presidente Jair Bolsonaro. A separação ocorreu no fim de março,
quando Caiado anunciou “rompimento total e absoluto” e chamou Bolsonaro de
“irresponsável” por conta das posições do presidente contra o isolamento social
e insistência em “receitar cloroquina na porta de palácio”. De lá para cá,
movimentos de reconciliação foram iniciados, mas não tiveram conclusão. Com
popularidade em queda, o governador chegou a se reunir com Bolsonaro e passou a
adotar o silêncio como fiel escudeiro, mesmo diante de declarações do
presidente e da segunda troca no Ministério da Saúde.

Esperança

A líder da bancada goiana no Congresso Nacional, deputada
federal Flávia Morais (PDT), quer acreditar que o reencontro está em
curso.  “Os prejuízos para Goiás são
óbvios”, define a parlamentar sobre o rompimento.

Responsabilidade

Já o ainda líder da base de Bolsonaro da Câmara Federal,
Vitor Hugo (PSL/GO), ainda percebe distância e garante que qualquer avanço
depende agora de Caiado.

Braços abertos

“Muito dessa evolução, para aproximação ou afastamento,
depende da ação do governador. O presidente nunca fechou as portas, mesmo
quando o governador fazia críticas mais contundentes e desproporcionais”,
define o líder.

Recuperação

A Federação das Indústrias do Estado de Goiás (FIEG) começa
nesta semana uma série de seminários virtuais para debater temas tributários e
econômicos, em meio aos impactos da pandemia sobre o setor produtivo no estado.

Acesso

Os encontros terão a participação de especialistas e
mediação da consultora tributária da FIEG Andréa Vecci. A participação é
gratuita, via Zoom Cloud Meetings, com objetivo de ampliar o atendimento on-line
aos empresários.

Alinhamento

Diferente das posturas técnicas dos últimos dois ocupantes
do cargo, o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, após liberar
a cloroquina para casos leves, acompanhou passeio de Bolsonaro por Brasília.

Divisão

A saída do presidente voltou a causar aglomerações e, além
da presença de apoiadores, houve também manifestações contrárias, com panelaço
e gritaria.

No governo

Além do caso do presidente do Ipasgo, Silvio Fernandes,
outros cinco servidores estaduais tiveram contaminação confirmada pelo
coronavírus, mas na Saneago. Medidas de desinfecção são tomadas nos dois
órgãos.

CURTAS

– Sem convidados ou plateia, os ministros Luís Roberto
Barroso e Edson Fachin tomam posse às 17h no Tribunal Superior Eleitoral.

– Presidente e vice, respectivamente, os comandantes da nova
gestão ficam à frente da Corte até fevereiro de 2022.

– Entidades do comércio e da indústria em Goiânia
formalizaram pedido para retomar atividades a partir de 1º de junho.

 

Compartilhe: