Segunda-feira, 22 de julho de 2024

Coluna

Foco nacional favorece MDB na busca por alianças em Goiás

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 03 de agosto de 2018

As direções nacionais de partidos médios e pequenos, que não
têm nomes próprios à presidência da República, têm objetivo primordial nesta
eleição de 2018: a eleição do maior número possível de deputados federais. A
intenção é manter ou ganhar força nas articulações em Brasília, independente de
quem seja eleito para comandar o País. A estratégia tem favorecido as últimas
conversas, nesta semana, do pré-candidato do MDB ao governo de Goiás, deputado
federal Daniel Vilela, que segue sem partidos aliados, ao contrário do senador
Ronaldo Caiado (DEM) e do governador José Eliton (PSDB), que têm chapas
majoritárias e bases de apoio, senão prontas, praticamente fechadas. O
emedebista tem mantido diálogo nos bastidores com lideranças de todos os lados,
mas os esforços estão concentrados no Progressistas (PP), de Alexandre Baldy, e
no PRB, de João Campos. Apesar da proximidade das bases das duas siglas com a
estrutura governista, a avaliação dos candidatos à deputado estadual e federal
é de que teriam mais oportunidades com o MDB.

Entrosamento…

Continua após a publicidade

O encontro entre todas as principais lideranças de MDB e PP,
ontem em Brasília, foi apenas casual. Os emedebistas se dirigiam à convenção do
partido, que confirmou a candidatura de Henrique Meirelles, e pepistas tiveram
reunião com a cúpula nacional.

… imediato

Mas não demorou nada para que a coincidência virasse
articulação política e ganhasse as redes sociais. “Pessoa que admiro de longa
data, Maguito fez muito à frente do Governo de Goiás e surpreendeu em Aparecida
de Goiânia”, postou Baldy.

Sem Lula, 73% admitem
mudança

Levantamento feito pelo Ibope para a Confederação Nacional
da Indústria (CNI) aponta que quase três quartos do eleitorado brasileiro
admite mudar a escolha do candidato a presidente até 7 de outubro, data do
primeiro turno. A informação é relativa à análise da população brasileira até o
mês de junho, ou seja, antes das confirmações de candidaturas nas convenções
partidárias, que vão até domingo (5). Em um cenário sem o ex-presidente Luiz
Inácio Lula da Silva (PT) (foto), 73% dos eleitores que declararam voto em
algum candidato admitem mudar de opinião sobre suas escolhas. Deste total, 25
pontos porcentuais se referem àqueles que dizem que a escolha é firme, mas que
pode mudar no decorrer da campanha; 23 pontos porcentuais às pessoas que dizem
que a opção atual é de momento; e outros 23 pontos aos eleitores segundo os
quais o candidato apontado é apenas uma preferência inicial. Ainda, 2 pontos
porcentuais não souberam ou não responderam. A margem de erro da pesquisa é de
dois pontos porcentuais e o intervalo de confiança é de 95%.

CURTAS

Indecisos – O
Ibope mostra que 59% dos brasileiros não sabem em quem votar ou anulariam, mesmo
com lista de candidatos. É o maior nível nas últimas cinco eleições.

Vice na esquerda
O presidente nacional do PV, José Luiz Penna, confirmou que o partido fechou aliança
com a Rede. Eduardo Jorge será o vice de Marina Silva.

E no centro A senadora Ana Amélia (PP-RS) está
disposta a ser vice de Geraldo Alckmin, mas condicionou a decisão ao acerto no
Rio Grande do Sul.

Independência

O PDT confirmou ontem decisão de caminhar com Ronaldo Caiado
em Goiás. A definição passou pela formação de palanque aqui para Ciro Gomes.
Com o PSDB, haveria incômodo, já que José Eliton fará tudo por Geraldo Alckmin.

No muro

Caiado, por sua vez, não deverá fazer campanha declarada a
nenhum dos candidatos à presidência. O DEM apoia Alckmin e outros partidos da
aliança têm nome próprio, como o Podemos, com Álvaro Dias; e o PSL, com Jair
Bolsonaro, entre outros.

A propósito

A chapa caiadista realiza evento às 10h, na casa do senador
Wilder Morais, no setor Marista, para recepcionar o apoio do PDT. Com a
deputada federal Flávia Morais e o presidente da sigla, George Morais.

Na pele

O vereador Zander Fábio (Patriotas) comentou ontem na Câmara
Municipal que foi assaltado quando trafegava na Zona 40 e pede que redução da
velocidade no Centro seja reavaliada. A SMT tem negado a possibilidade.

Números

Pesquisa do DataPoder360 do
último mês de julho revela que 76% das pessoas que dizem conhecer o deputado
federal e presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) declaram que não votariam nele de
jeito nenhum.

Conhecimento

A taxa de rejeição cai para 55% quando perguntados eleitores
do grupo que afirma conhecer Bolsonaro apenas “de ouvir falar”. Por óbvio, despenca
para 33% entre os que não sabem quem ele é.