Coluna

Governador retomará diálogo com empresários em 2020

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 25 de dezembro de 2019

Com relação marcada pela tensão no fim de 2019, o recuo em
votar já o projeto de criação do novo modelo de incentivos fiscais deu novo
fôlego às conversas entre o governo e empresários, principalmente do setor
industrial. Beneficiados em 20 anos de políticas agressivas de incentivos, o
setor produtivo ainda chia em relação à prorrogação, por mais um ano (pelo
menos), da contribuição de 15% para o fundo Protege, enquanto que o novo
ProGoiás prevê cobrança de 10%, para “incentivar” a adesão, com tem justificado
a secretária Cristiane Schmidt. Em conversa com a Xadrez, o governador
confirmou que pretende retomar até fevereiro o diálogo com o setor, em conjunto
com a Secretaria de Economia e a pasta de Indústria e Comércio (SIC), comandada
por Wilder Morais. O ponto ainda é o fim, como proposto por Schmidt, ou
manutenção da SIC como parte na análise sobre concessão de benefícios.

Na pauta

O projeto do ProGoiás passou por intensa articulação, também
do presidente da Assembleia Legislativa, Lissauer Vieira (PSB), mas ficou para
o próximo ano. Alterações podem “compensar” a manutenção do Protege, avaliam
empresários.

Consequências

O presidente da Associação Pró-desenvolvimento Industrial do
Estado de Goiás (Adial), Otávio Lage de Siqueira Filho, afirma que a prorrogação
do com alíquota de 15% tira a competitividade dos setores produtivos de Goiás.

Agilidade

Segundo ele, a manutenção faz com que o Estado deixe de
novos investimentos e que o “desenvolvimento não chegue com a rapidez que
precisa”.

Para fora

O governo estadual tem mantido publicações em jornais
nacionais com a chamada: “descolado da crise, Goiás atrai investimentos”. O
material usa previsões de novos investimentos de grandes indústrias como sinal
de otimismo.

Orçamento

A Câmara de Goiânia derrubou veto a projeto do presidente, Romário
Policarpo (Patriota), que obriga empresas que celebrarem contratos com a
administração pública a destinarem 5% das vagas para moradores de rua.

Previsão

Apenas três vereadores votaram pela manutenção do veto. O
texto prevê que contratos para obra, prestação de serviços, termos de parceria
e colaboração ou qualquer outro ajuste envolvam a destinação de vagas.

Trabalho

O recesso da Câmara Municipal vai até a primeira terça-feira
de fevereiro, dia 4. A parte administrativa já volta a funcionar em janeiro. A
previsão de votação do plano diretor, no entanto, é para meados de março.

Mais folga

Já os deputados estaduais ficam sem sessões em plenário até
o dia 18 de fevereiro, quando os trabalhos na Assembleia Legislativa serão retomados
em 2020.

CURTAS

– Dados da Secretaria Municipal de Infraestrutura mostram
que são 469 buracos tapados em média por dia.

– Senadores
gastaram R$ 6,5 milhões em 2019 só com passagens aéreas, aquáticas e terrestres
nacionais.

– O valor representa 30,6% de todo o montante da
cota destinada para o serviço: R$ 22,7 milhões. 

Compartilhe: