Coluna

Governadores articulam com senadores para barrar ICMS dos combustíveis

Publicado por: Venceslau Pimentel | Postado em: 15 de outubro de 2021

Com a aprovação, na Câmara dos Deputados, do projeto que torna fixo valor para cobrança de ICMS, os senadores por Goiás, Vanderlan Cardoso (PSD), Luiz do Carmo (MDB) e Jorge Kajuru (Podemos) estão na lista dos que serão procurados por representantes dos Estados, para tentar convencê-los a barrar a matéria quando chegar na Casa. O argumento é de que a proposta prejudica os Estados, com perdas também aos municípios de até R$ 24 bilhões. Governadores como Ibaneis Rocha (DF-MDB), Eduardo Leite (PSDB-RS) e Flávio Dino (PSB-MA) não descartam recorrer ao STF caso a proposta avance no Senado, com o argumento de que se trata de uma afronta aos Estados, transferindo uma responsabilidade que é da Petrobras. 

Na frente 

Ao posar para foto com o cantor Gusttavo Lima, o prefeito Rogério Cruz diz que Goiânia sai na frente em apoio ao setor de entretenimento, o mais impactado pela pandemia, pelo evento-teste com o sertanejo, dia 23 de outubro. 

Burca  

Defensora do tratamento precoce contra Covid19, a vereadora bolsonarista Gabriela Rodart (DC) propõe revogar o uso de máscaras em Goiânia, que ela chama de burca chinesa. 

Retaliação  

Por ter se posicionado contra a antecipação da eleição da mesa diretora, o vereador Lucas Kitão (PSL) diz ver retaliação em relação aos seus projetos. Por conta disse, bateu de frente com Clécio Alves (MDB), reeleito 1º vice-presidente do Parlamento goianiense. 

Sem perdão 

A demanda do deputado Amauri Ribeiro (Patriota), para tentar a remissão de multas de GTA aplicadas a mais de 50 mil produtores, incluindo ele, na gestão do PSDB, não recebeu aval do Confaz. Vão ter de pagar a conta. 

Sem sufoco  

Mesmo tendo carro à disposição, pela Alego, o deputado Gustavo Sebba (PSDB) madrugou para pegar o primeiro ônibus da nova linha que liga Caturaí à região metropolitana de Goiânia. Pelo horário, não enfrentou o sufoco que o usuário vive no dia a dia. 

Déficit  

O dinheiro da venda da Celg T, de R$ 1,977 bilhão, será aplicado para atenuar o déficit previdenciário do Estado, que está em R$ 3,99 bilhões, conforme descrito na Lei Orçamentária de 2022. 

Na disputa 

Em cima de uma pá mecânica que entregou ao prefeito de Novo Gama, Carlinhos do Mangão (PL), Luiz do Carmo (MDB) disse que prefere disputar uma cadeira no Senado, porque de vereador é mais difícil. Ele, suplente que assumiu mandato em 2019, quer agora a reeleição. 

De saída  

Prestes a deixar a Secretaria da Indústria e Comércio, o ex-presidente da Alego, José Vitti, diz que não é segredo a vontade de disputar mandato eletivo. Deputados da base aliada pressionam para a desincompatibilização de secretários-candidatos.  

CURTAS 

– Depois da Câmara de Goiânia, agora é a Alego que entra no debate sobre o passaporte da vacina. O deputado Delegado Humberto Teófilo (PSL) defende a garantia da autonomia das pessoas.  

 – Na próxima quarta-feira, a Comissão de Finanças da Alego recebe o secretário estadual de Saúde, Ismael Alexandrino, que irá prestar contas do 4º bimestre de 2021. 

Compartilhe: