Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Coluna

Investimento estrangeiro em abril atinge nível mais baixo em 15 anos

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 27 de maio de 2020

Se
o salto em março havia sido enganoso, conforme demonstrou esta coluna
(28/04/20), o tombo do investimento estrangeiro no País em abril refletiu de
forma mais próxima os efeitos de uma conjuntura interna e externa muito complicada
em função do avanço continuado do Sars-Cov-2, o vírus causador da Covid-19, e
das medidas adotadas em todo o mundo para tentar conter a contaminação e
reduzir as mortes. Como antecipado, o agravamento da crise desde os primeiros
sinais da chegada do vírus nas principais economias ocidentais e, na sequência,
também no Brasil tem provocado uma fuga do risco e, consequentemente, uma
corrida dos investidores para portos mais seguros – o que ajuda a explicar dois
outros dados trazidos pela nota distribuída ontem pelo Banco Central (BC) sobre
o comportamento das contas externas.

Não
só o investimento desabou, mas a taxa de rolagem da dívida, que mostra a
capacidade de bancos, empresas privadas e públicas e do governo de adiar o
pagamento de juros e amortizações vencidas com a contratação de novos
empréstimos externos, renovando aquelas obrigações e lançamento seu vencimento
para meses à frente. Adicionalmente, o fluxo de capitais estrangeiros inverteu
os sinais e passou a ser amplamente negativo, no mercado financeiro (excluídas
as operações no setor interbancário e aquelas realizadas diretamente pelo BC).

O
investimento estrangeiro direto no País despencou 96,21% entre março e abril
deste ano, murchando de US$ 6,188 bilhões para apenas US$ 234,253 milhões.
Considerando o movimento mensal dos investimentos vindos de fora, foi o pior
resultado na série do BCdesde setembro de 2005, quando havia alcançado algo ao
redor de US$ 95,0 milhões – ou seja, o mais baixo em quase uma década e meia.
Na comparação com abril do ano passado, quando o BC havia registrado a entrada
líquida de US$ 5,107 bilhões, houve um retrocesso de 95,41%. Nessa mesma
comparação, o investimento em participação no capital (compra de ações de
empresas brasileiras por multinacionais, por exemplo) caiu fortemente, com baixa
de 94,35% (saindo de US$ 5,666 bilhões para US$ 320,032 milhões).

Continua após a publicidade

Fuga

O
fluxo de entrada e saída de capital estrangeiro pelo mercado financeiro ficou
negativo em US$ 7,434 bilhões em abril, acumulando um resultado negativo de US$
18,725 bilhões entre janeiro e abril. Isso significa que empresas e grupos
estrangeiros retiraram muito mais dólares do que trouxeram para o País naquele
período. Para comparação, em abril do ano passado essa conta havia sido
positiva em US$ 535,733 milhões, acumulando um saldo positivo de US$ 20,444
bilhões em valores aproximados (quer dizer, entre um quadrimestre e o outro, a
inversão de sinais correspondeu a quase US$ 39,169 bilhões, o que reafirma o
tamanho e a dramaticidade da crise). Não só os dólares fugiram, como a economia
brasileira passou a enfrentar uma queda na chamada taxa de rolagem da dívida de
longo prazo. Em abril, as empresas e bancos contrataram US$ 3,166 bilhões em
novos empréstimos, mas tiveram que pagar US$ 6,516 bilhões em amortizações de
empréstimos contratados no passado.

Balanço

·  
Fechada
a conta acima, os dólares que ingressaram no País sob a forma de novos
empréstimos corresponderam a 48,6% das amortizações pagas, a mais baixa para o
mês desde abril de 2005, quando havia atingido 45,1%. Em abril de 2019, essa
taxa havia alcançado 67,8%.

·  
A
mudança no cenário externo tornou mais difícil a rolagem, mas no acumulado do
primeiro quadrimestre as estatísticas do BC mostram uma folga relativa,
explicada pelo que ocorreu antes da pandemia. Entre janeiro e abril, os
ingressos somaram US$ 17,682 bilhões e representaram 28,7% mais do que o valor
das amortizações (US$ 13,736 bilhões).

·  
Na
comparação com igual intervalo de 2019, vinha ocorrendo uma melhoria,
interrompida pela crise. Nos quatro meses iniciais do ano passado, os ingressos
chegaram a alcançar US$ 8,421 bilhões, correspondendo a praticamente 67% dos
US$ 12,576 bilhões pagos em amortizações.

·  
A
piora no quadro externo, o que pode parecer paradoxal, veio acompanhado de uma
melhora na conta de transações correntes do País. O paradoxo, no entanto, é
mesmo só aparente. A melhora veio por conta de quedas nas
importações de bens e serviços, da retração brutal nas viagens internacionais
(o que reduziu o gasto de executivos e turistas brasileiros no exterior) e ainda
de uma retração vigorosa na remessa de lucros e dividendos por empresas e
investidores estrangeiros com operações aqui dentro (seja no lado real da
economia, seja no mercado financeiro).

·  
Mais
claramente, essa melhoria decorreu precisamente da piora severa na economia
doméstica. O saldo na conta de transações correntes (que inclui exportações e
importações de bens e serviços em geral, como gastos com viagens
internacionais, fretes, pagamento de royalties por uso de tecnologias
importadas, aluguel de equipamentos, remessas de lucros e dividendos, entre
outros) ficou positivo em US$ 3,840 bilhões – recorde mensal em toda a série de
dados do BC.

·  
No
acumulado do primeiro quadrimestre, o déficit naquela conta baixou 29,94%, de
US$ 16,953 bilhões para US$ 11,877 bilhões, muito embora o superávit comercial
do País (exportações menos importações) tenha sofrido baixa de 24,09% (Para US$
9,626 bilhões). A redução foi compensada com larga folga pela redução de 55,3%
na conta das viagens internacionais no quadrimestre (depois de encolher 91,21%
em abril).

·  
As
remessas de lucros e dividendos ficaram 99,8% menores em abril deste ano,
desabando para US$ 4,319 milhões (US$ 2,250 bilhões no mesmo mês de 2019). No
quadrimestre, a queda foi de 41,12%, para US$ 6,143 bilhões.