Coluna

Líder admite “erro grotesco” ao ser “incendiário”

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 24 de junho de 2019

A marcante derrota do governador Ronaldo Caiado (DEM) na
Assembleia Legislativa na última semana, quando teve contribuição de apenas 10
deputados contra permissão de reeleição do presidente Lissauer Vieira (PSB),
ainda mostra sequelas na Casa. Tanto que ontem o líder da base, Bruno Peixoto
(MDB), reforçou em público pedido de desculpas feito internamente a deputados e
a próprio governador. “Eu aumentei a briga. Cometi um erro. Eu deveria ter
agido como bombeiro sobre essa matéria interna e, até devido à inexperiência na
liderança, agi como incendiário, de uma maneira que trouxe prejuízo para a
base, mas já aprendi com o erro. Me desculpei e nós superamos essa fase”, conta.
O deputado ainda garante que segue “confortável” no posto de líder do governo
na Casa e que se sente “amadurecido depois do episódio”. A segunda votação da
PEC ocorre hoje.

Pela história

Bruno admite inclusive a posição de líder do governo tem
desgaste inerente e cita casos recentes de figuras políticas que saíram
chamuscadas do posto e acabaram não voltando à Alego, em diferentes
circunstâncias.

Comparação

“Vários não voltaram. Francisco Oliveira, o Chiquinho,
perdeu a eleição. José Vitti nem disputou. Helder Valin foi para o tribunal
(TCE). Não é tão simples conciliar e agradar a todos à frente de uma
liderança”, considera Bruno.

Contextual

Apesar da autoimolação de Bruno Peixoto, os desgastes da
base aliada na Alego não estão restritos à liderança. A relação ainda é marcada
por isolamento de deputados no governo. E eles insistem na ‘independência’.

No caminho

A proposta de desoneração da tarifa de ônibus na região de
Goiânia, a partir de aumento no licenciamento de veículos em 33%, passa por
finalização jurídica e técnica para ser apresentado ao governo estadual.

Bancada

O detalhamento será feito pelo presidente da CMTC, Benjamin
Kennedy, aos secretários Cristiane Schmidt (Economia) e Adriano Rocha Lima
(Desenvolvimento), além do chefe de gabinete do governador, Lívio Luciano.

Voto e desgaste

Em princípio, há rejeição no governo à ideia por conta do
aumento de taxa no Detran. Por outro lado, a proposta liberaria o estado do
pagamento de R$ 5,3 milhões mensais para bancar o Passe Livre Estudantil.

Prazo

A decisão final será de Ronaldo Caiado. Se acatar, enviará
projeto à Alego, que deve ser aprovado e sancionado até o fim de setembro para
valer em 2020 e evitar o aumento contratual da tarifa em dezembro.

Mobilidade

Além da trincheira da Rua 90 com a Avenida 136, a prefeitura
deve iniciar neste ano viadutos da Jamel Cecílio com a Marginal Botafogo e dois
da Avenida Leste Oeste: sobre a Marginal e a BR-153.

CURTAS

– Apesar da “Vaza Jato”, não ficou entre as prioridades do
STF o julgamento de recurso de Lula no caso do triplex.

– A votação estava prevista para hoje, mas foi simplesmente
“retirada do calendário”. Fica para depois do recesso do Judiciário.

– Já a pauta na Câmara federal mantém votação do decreto das
armas. Tendência é de nova derrota do governo Bolsonaro.

 

Compartilhe: